Comentário da manhã

Comentário da manhã – 04/11/19 (10h39min) Soja – Mercado opera em ligeira alta nesta manhã de segunda-feira, a U$ 9,38/janeiro.

Na sexta-feira pregão fechou com de alta de 4 cents.

Mercado está bastante otimista em relação ao acordo comercial entre China e EUA.

Apesar do cancelamento do Apex Summit, que aconteceria no Chile neste mês, analistas entendem que este é o momento entre as duas nações, e que um acordo, pelo menos da fase 1 (em que inclui basicamente produtos agrícolas e remoção de algumas tarifas) estaria na eminência de ser acertado.

Porém, devido a tantas idas e vindas, toda a cautela é pouca e ninguém consegue cravar na aprovação desta parcela, que seria o início efetivo para um acordo amplo.

O mercado também segue focado no comportamento do clima no Meio Oeste – onde a colheita está em andamento.

Hoje à tarde será divulgado mais um boletim de acompanhamento.

Também pede atenção as irregularidades climáticas na fase de implantação das lavouras no Brasil e na Argentina.

As exportações brasileiras de soja atingiram 4,87MT no mês de outubro, ante 5,35MT do mesmo mês de 2018.

No acumulado, os embarques somam 62,2MT, contra 73,0MT do mesmo período do ano passado.

Os dados são da Secex.

Indicações de compra no Oeste do estado na faixa de R$ 82,00/83,00, dependendo de local de embarque e de prazo de pagamento – com mais presença de indústrias.

Em Paranaguá, na faixa entre R$ 87,00/88,00.

MILHO – Opera com perdas de 3 cents/bu nesta segunda-feira, a U$ 3,85/dezembro.

Na sexta-feira, o pregão fechou com 0,75 cent negativo.

O mercado interno continua marcado pela retenção de vendas por parte dos produtores – embora haja bom volume ainda depositado nos armazéns.

Por outro lado, as integrações estão bastante comedidas e vivem a expectativa de que o pico de preço tenha ficado para trás.

É uma queda de braço que será resolvida pelo comportamento do clima.

Se as adversidades se estenderem por mais tempo, a tendência é que haja queda no volume de produção da próxima safra – incluindo verão e safrinha – com implicações positivas sobre os preços.

O contrário também é verdadeiro.

Mais do que o cenário externo, são fatores domésticos que irão definir o rumo dos preços no curto e médio prazo.

As exportações brasileiras de milho seguem surpreendendo e devem bater um novo recorde nesta temporada.

Segundo a Secex, em outubro, os embarques chegaram a 6,14MT, ante 3,2MT de outubro do ano passado.

No acumulado desta estação, o volume chega a 32,0MT, ante 16,7MT do mesmo intervalo do ciclo anterior.

No mercado doméstico os preços se mantêm firmes, com indicações de compra, no oeste do estado, entre R$ 37,50/38,50 – dependendo de prazos e de localização.

Porto com indicações entre R$ 39,50/40,50 por saca.

(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ.

PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).

DÓLAR – Opera neste momento em R$ 3,99 – em linha com o último fechamento.

(GRANOESTE CORRETORA – Camilo/Stephan).