Comentário da manhã

Comentário da manhã – 13/01/20 (09h32min) SOJA – Mercado opera em baixa de 4 pontos nesta manhã de segunda-feira, a U$ 9,42/março.

Mercado vinha trabalhando no campo positivo, com base nas boas perspectivas de demanda em decorrência do otimismo em relação à assinatura da fase 1 do acordo entre China e EUA neste dia 15 (quarta-feira); porém, inverteu para o campo negativo devido aos números do relatório divulgado pelo USDA na última sexta-feira, considerados levemente baixistas.

Além disto, o mercado passou a última semana digerindo as informações sobre EUA e Irã.

O relatório trouxe mínimas alterações em relação ao mês de dezembro; havia, porém, expectativa de redução na produção e nos estoques norte-americanos.

A produção foi avaliada em 96,8MT, ante 96,62MT de dezembro e 120,52MT da safra anterior.

Os estoques seguem com 12,92MT, ante 24,74MT da safra 18/19.

A produção mundial se mantém em linha, com 337,7MT e com estoques finais avaliados em 96,67MT.

Para o Brasil, a estimativa ainda é de 123MT, enquanto no país vizinho, Argentina, 53MT.

De qualquer modo, no médio prazo o mercado se mostra positivo.

A demanda por soja na China tende a melhorar com a recuperação de alojamentos de suínos, além do clima adverso em algumas regiões da América do Sul.

Indicações de compra, para lotes ainda disponíveis, na faixa entre R$ 83,00/83,50 no oeste do estado, dependendo de local e de prazo de pagamento.

Em Paranaguá, indicações na faixa de 87,50/88,50.

MILHO – CBOT opera estável nesta segunda-feira, a U$3,86/março.

O relatório de oferta e demanda de milho também veio na contramão do esperado pelo mercado.

De acordo com o USDA, a produção norte-americana de milho ficou em 347,78MT, ante 347,01MT do mês anterior e 364,26 da temporada passada.

Os estoques são estimados em 48,07MT, contra 48,53 do mês de dezembro e 56,41 da temporada anterior.

Para produção mundial, a projeção foi de 1.

110,84MT, ante 1108,62MT do mês anterior.

Os estoques mundiais caíram para 297,81 no mês de janeiro ante 300,56MT do relatório de dezembro e 320,39MT da safra anterior.

Mercado interno segue firme, com base nos recordes de exportação, no atraso do plantio da safra de verão e na limitação da oferta.

No Rio Grande do Sul, principal estado produtor de milho verão, as perdas se acumulam por causa da estiagem e, segundo avaliações, já somam mais de 1,0MT – cerca de 20%.

Em todas as regiões, os preços internos superaram a paridade de exportação.

Indicações de compra, no oeste do estado, entre R$ 44,50/45,00 – dependendo de prazos e de localização.

Porto, com indicações entre R$ 42,00/43,00 por saca.

(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ.

PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).

DÓLAR – Opera em alta, a R$ 4,11 – no ponto mais alto deste início de ano.

(GRANOESTE CORRETORA – Camilo /Stephan).