Comentário da manhã

Comentário da manhã – 17/01/2020 (10h20min) SOJA – CBOT opera estável nesta manhã de sexta-feira, a U$ 9,23/março.

Nas duas últimas sessões, as perdas acumuladas chegaram a quase 20 cents – após a assinatura da Fase I do acordo comercial entre China e EUA.

O mercado continua cético sobre a capacidade e vontade da China em cumprir os volumes de compras acordados com os EUA.

Pelo menos até agora não há nenhum sinal claro – tanto que o relatório de exportações decepcionou o mercado.

De acordo com o USDA, as vendas externas, na última semana, somaram somente 0,71MT, sendo que apenas algo como 0,2MT foram para a China.

Na temporada (iniciada em primeiro de setembro) o volume chega a 30,5MT, contra 30,4MT do mesmo período da estação passada.

Outra questão relevante é em relação ao consumo de soja por parte dos chineses.

Com um plantel de suínos que, entre 2018 e 2019 decresceu de 30% a 40%, devido à febre suína africana, analistas entendem que o consumo de soja poderá ser ainda menor do que nos dois anos anteriores.

A nova dinâmica China-EUA poderá redefinir os mercados globais.

Há muitas dúvidas e preocupações em relação ao acordo, pois, como os volumes e valores são muito elevados, muitos países poderão perder fatias significativas de seu comércio internacional.

Analistas entendem que só com medidas não mercadológicas poderá haver o cumprimento fiel dos termos acertados.

A União Europeia já se pronunciou que pode acionar a OMC para rever o acordo.

No mercado interno, os preços para a soja disponível estão se aproximando dos preços cotados para entrega em fevereiro/março.

De qualquer maneira, produto pronto ainda vale cerca de R$ 2,00 a mais.

Os prêmios nos portos se mantêm positivos, na faixa de 50 a 60 cents.

Porém, o preço dos fretes começa a subir de forma gradativa e firme.

Paralelamente, a disponibilidade é crescente, na medida em que a colheita avança – pressionando os preços.

Nesta quinta-feira, para lotes disponíveis, houve reportes de negócios na faixa de R$ 83,00 a 84,00 no oeste do estado e de R$ 87,50 a 88,50 em Paranaguá – dependendo de prazos e locais de embarque.

As primeiras indicações desta sexta-feira seguem neste mesmo patamar.

MILHO – CBOT opera em alta de 3 cents neste início de sexta-feira, a U$3,78/março.

Ontem pregão encerrou com 12 de baixa – influenciado pelo ceticismo em relação ao cumprimento do acordo EUA-China.

As vendas norte-americanas de milho seguem muito lentas.

Na temporada, somam 19,3MT, contra 32,3MT do mesmo intervalo do ano anterior.

Os dados são do USDA.

No Paraná, uma petição foi levada ao Ministério da Agricultura para aumentar em 20 dias a janela de plantio do milho safrinha.

A ampliação do prazo permitirá uma maior proteção para os produtores.

Indicações de compra, no oeste do estado, entre R$ 44,50/46,00 – dependendo de prazos e de localização.

Porto, com indicações entre R$ 42,00/43,00 por saca.

(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ.

PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).

DÓLAR – Opera em ligeira baixa, na faixa de R$ 4,18.

(GRANOESTE CORRETORA – Camilo /Stephan).