Comentário da manhã

Comentário da manhã – 29/01/2020 (10h22min) SOJA – CBOT opera em alta de 1 a 2 cents, nesta manhã de quarta-feira, a U$ 8,96/março.

Ontem pregão encerrou em baixa de 2 pontos, marcando o sexto pregão seguido em queda – e 10 pregões negativos em 11.

O mercado, que se postava otimista na virada do ano em razão da menor safra nos EUA e com o aumento no rebanho chinês de suínos, acabou sofrendo uma reviravolta com a ocorrência do surto de coronavírus.

Soma-se a isto, a boa perspectiva de colheita no Brasil e a ausência da China em compras nos EUA.

Com isto, a CBOT caiu mais de 7% desde o início de janeiro.

O ponto positivo que começa a emergir é a diminuição do pânico global provocado pela epidemia.

Tudo indica que a capacidade da propagação do vírus não seja tão desesperadora e nem tão fatal como se imaginava.

Além dos desdobramentos da doença, os participantes seguem na expectativa do interesse chinês por compras de produtos agrícolas nos EUA – como parte do acordo celebrado no último dia 15.

No Paraguai, a previsão para a safra de soja, 2019/20, é de 9,5 a 10MT, ante 8,5MT da temporada prévia.

A expectativa de exportações gira em torno de 6MT.

O levantamento é da Capeco (Câmara Paraguaia de Exportadores).

As exportações brasileiras de soja somam 0,9MT em janeiro; na temporada 2018/19 chegam a 77,4MT, ante 84,5MT totalizado no ciclo anterior.

Dados da Secex.

No mercado interno, os preços indicados para o interior vêm sofrendo pressão adicional.

Além da queda acentuada em Chicago, o preço dos fretes segue subindo.

Por outro lado, a alta do dólar se apresenta como fator de suporte – tendo subido de R$4,02 no início do ano para o patamar atual de R$4,20.

Ontem, para lotes disponíveis, houve reportes de negócios na faixa de R$ 80,50/81,00 no oeste do estado e entre R$ 85,50/86,50 em Paranaguá – dependendo de prazos e locais de embarque.

As primeiras indicações da jornada de hoje seguem neste mesmo patamar.

MILHO – Contratos futuros em Chicago operam em queda de 3 cents nesta manhã de quarta-feira, a 3,83/março.

Ontem houve ganhos de 6 cents.

O mercado segue influenciado pelos desdobramentos do surto do novo coronavírus na China.

De qualquer maneira, sinais menos alarmantes começaram a clarear a situação.

De maneira geral, os mercados de commodities e de ativos financeiros indicam que o pior pode estar ficando para trás.

As exportações brasileiras de milho chegam a 42,6MT nesta temporada (que se encerra neste dia 31 de janeiro), ante 25,1MT do ciclo anterior.

Informações da Secex.

O mercado doméstico se mantém firme, ainda postado nos excepcionais volumes de exportações, na baixa disponibilidade interna e no atraso do plantio da safra de inverno.

Indicações de compra, no oeste do estado, entre R$ 46,00/46,50 – dependendo de prazos e de localização.

Porto, com indicações entre R$ 42,00/43,00 por saca.

(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ.

PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).

DÓLAR – Opera estável, neste momento cotado próximo de R$ 4,20.

(GRANOESTE CORRETORA – Camilo /Stephan).