Comentário de Mercado

SOJA – Chicago opera em ligeira queda, a U$ 8,78/março – nesta manhã de quarta-feira. Ontem houve ganhos de quase 5 cents; porém, na segunda-feira, os preços experimentaram perdas acentuadas, de 16 cents.

Os mercados em geral, incluindo soja, são pressionados pelo avanço do surto de coronavírus para fora da China e pelas preocupações com o quanto este evento poderá prejudicar o crescimento da economia. Coréia do Sul registra quase 1.300 casos, com 12 mortes; Itália, 320 casos e 11 mortes e Iran, 95 casos e 16 mortes. A doença vem se alastrando para diversos outros países. No total, o número de casos já passa de 81 mil, com 2.765 mortes e 30.300 pessoas recuperadas. A China segue como epicentro da doença com mais de 78 mil casos e mais de 2.600 mortes.

Outra notícia tida como negativa é a perspectiva de aumento de área de soja nos EUA. Na última sexta-feira, ao final do Fórum Anual, o USDA divulgou a estimativa de plantio de 34,4 milhões de hectares de soja, aumento de 12% sobre os 30,9MH do último ano. A produção deve alcançar 114MT, aumento de 18%. Esta área, no entanto, está longe do recorde alcançado na temporada 2017/18, quando foram semeados 36,5MH e colhidos 120MT.

Por outro lado, o USDA prevê aumento das exportações (com base no acordo celebrado com a China) e aumento do processamento doméstico, resultando em queda acentuada dos estoques finais.

O mercado interno vive a expectativa pela abertura do câmbio, logo mais, ao meio dia. A tendência é que registre novos recordes, com base nas tensões acumuladas nestes dias de feriado. Há também expectativas em relação aos prêmios nos portos brasileiros – que giram entre 40 e 50 cents – os quais tendem a caminhar na contramão do câmbio.

MILHO – Contratos futuros em Chicago trabalham praticamente zerados nesta manhã de quarta-feira, a 3,71/março. Entre segunda e terça-feira, as perdas líquidas totalizaram 4,5 cents.

A exemplo de outros mercados, o milho é pressionado pelo crescente número de casos do coronavírus, sobretudo fora da China.

Na conferência do USDA, na semana passada, foi projetado um aumento de 5% na área de plantio de milho nos EUA, para 38MH na safra 2020/21 – estimando-se colheita de 35,04MH e produção de 392MT, um novo recorde histórico. No ano passado, foram plantados 36,3MH, com produção de 348MT. O USDA prevê melhora na produtividade, com clima mais propício ao desenvolvimento das lavouras; e que o excesso de umidade, que prejudicou as culturas no último ano, tende a não se repetir.

No oeste do estado, indicações de compra entre R$ 46,00/46,50 e intenções de venda até na faixa R$ 47,00/47,50 – dependendo de prazos e de localização. Porto, com indicações entre R$ 42,50/43,50 por saca.

(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ. PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).

DÓLAR – Câmbio abrirá cotação ao meio dia, com expectativa de forte alta – (GRANOESTE CORRETORA – Camilo /Stephan)