Comentário de Mercado

SOJA – Chicago trabalha em baixa de 1 a 3 cents, a U$ 10,17/novembro, nesta manhã de quarta-feira. O mercado é pressionado por vendas técnicas depois da forte alta, de cerca de 15%, iniciada em meados de agosto. Em termos fundamentais, ao aumentar a oferta de produto disponível, o avanço da colheita também contribui para acomodar os preços.
– O mercado também manifesta preocupação com o aumento expressivo de novos casos de coronavírus na Europa. Isto pode afetar os planos de retomada da economia em países centrais e reduzir ainda mais os índices de produção de bens e serviços.
– A demanda pelo produto dos EUA segue a todo vapor, com anúncios quase que diários de novas operações. Ontem o USDA divulgou a venda de novos lotes, num volume superior a 500 mil tons.
– A colheita da safra norte-americana chega a 6%, ante 2% da mesma data do ano passado, informou o USDA nesta segunda-feira; 59% entraram na fase de maturação, contra 29% da mesma semana de 2019; 63% das lavouras são consideradas boas/excelentes, ante 54% da mesma semana do ano anterior.
– O mercado interno vem registrando novas máximas nominais históricas, diante da escassez de oferta, causada pelo ritmo recorde de exportações. Na base da aceleração dos preços está a alta do câmbio, bem como os ganhos recentes na CBOT. Os prêmios se mantêm firmes, na faixa de 175/190.
– O volume de negócios segue contido e regionalizado, com preços acima da paridade internacional. No oeste do PR, indicações de compra na faixa de R$ 145,00/147,00 por saca, dependendo de local de embarque e de prazo de pagamento. Há relatos de preços acima de R$ 150,00 em diversas regiões do país em razão da forte demanda local.

MILHO – CBOT opera em leve baixa, a U$ 3,68/dezembro, nesta manhã de quarta-feira. Mercado é influenciado pelo avanço da colheita norte-americana e aumento da oferta de produto novo.
– De acordo com o Ministério da Agricultura chinês, o plantel de suínos do país está em alta pelo 7º mês consecutivo, com elevação de 31,3% desde janeiro. O plantel de matrizes vem aumentando já há 11 meses seguidos, um incremento anual de 37%. Mais de 2.000 novas fazendas de suínos entraram em operação no mês passado.
– De acordo com Safras & Mercados, o plantio da safra brasileira de milho verão atingiu, até última sexta-feira, 23,1% da área prevista em 3,85MH. No Rio Grande do Sul o índice atinge 57,3%; em Santa Catarina, 21,5% e no Paraná, 12,5%.
– De acordo com Deral, a colheita de milho safrinha no Paraná atingiu 98% dos 2,26MH semeados. As condições das lavouras encontram-se em: boas, 55%; regulares, 31% e ruins, 14%.
– No mercado doméstico, os preços se apresentam firmes. De maneira geral, os produtores seguem limitando o volume ofertado, levando em conta as perspectivas futuras – impulsionados também pelas altas constantes da soja. O atraso do plantio de verão também entra no radar como elemento de sustentação. Por outro lado, as integrações estão relativamente bem abastecidas no curto prazo e limitam os volumes de compra.
– No oeste do estado, interesse de compra entre R$ 56,50/57,50 por saca, dependendo de localização e prazo. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 62,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em alta neste momento, na faixa de R$ 5,52. Na sessão anterior, fechou em R$ 5,469. (Granoeste – Camilo / Stephan).