Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em forte alta, de 14 a 16 cents, a U$ 11,96/janeiro, nesta manhã de segunda-feira. Com alta de cerca de 30% desde meados de agosto, o mercado se aproxima da importante marca de U$ 12,00/bu, ponto mais alto desde julho de 2014.
– O mercado segue impulsionado, há algumas semanas e meses, pelos mesmos fundamentos: a) clima adverso, com redução da produção, primeiramente nos EUA e, agora, na América do Sul e b) demanda acelerada, sobretudo de parte da China, que recompôs os rebanhos de suínos e aves e busca formar estoques para promover segurança alimentar para o país.
– Demanda em alta e redução da produção, cujo resultado é corte nos estoques, formam a tempestade perfeita para a alta expressiva de preços.
– Os investidores também estão de olho no ajuste de suas carteiras diante do feriado prolongado deste fim de semana (nesta quinta-feira, nos EUA, será celebrado o Dia de Ação de Graças) e, na sexta-feira, com pregão reduzido, poucos trabalham e cai a liquidez das negociações.
– O plantio da safra brasileira chega a 74,1%, ante 75,7% da mesma data do ano passado e 75,5% de média histórica. O levantamento é da consultoria Safras & Mercado. No MT, o plantio está em 96% (99% de um ano atrás); no Paraná, em 95% (97%); no MS, em 95% (87%); em MG, 86% (67%); em GO, 69% (77%) e no RS, 36% (54%).
– Internamente, o clima adverso provocado pelo La Niña segue como o fator mais preocupante. Mesmo assim, a liquidez vem caindo nos últimos dias. Poucas indústrias e integrações necessitam de produto pronto; estão com os volumes ajustados para fechar a temporada. Por esta razão, os preços acabaram cedendo depois de atingido um topo na última virada de mês.
– Nos portos, prêmios para março são negociados na faixa entre 62/75 sobre Chicago. Indicações de compra no oeste do Paraná, para produto disponível, entre R$ 165,00/167,00 por saca.

MILHO – CBOT opera em alta de 5 a 7 cents, a U$ 4,29/dezembro, nesta manhã de segunda-feira. Na sexta-feira, fechou com 0,75 ponto positivo. Mercado opera em alta devido à demanda aquecida pelo grão norte-americano, sobretudo por parte dos chineses. O clima adverso na América do Sul também dá suporte. Na semana passada, a CBOT/dezembro acumulou alta de 2,4%.
– De acordo com a consultoria Safras & Mercado, o milho importado dos EUA e da Argentina chega aos portos brasileiros na faixa de R$80,00 por saca. Aí tem mais o frete para o interior. Este preço ainda torna inviável as compras no exterior; mas, se as cotações internas continuarem na ascendente, pode haver a entrada de produto destes países. Diferentemente do milho, a soja e o trigo tiveram bons volumes de importações do Paraguai, fazendo com que o produto nacional perdesse pelo menos parcela da competitividade.
– O Plantio de milho verão, no Brasil, atinge 89,8%, ante 92,3% da mesma data do ano passado e 89% de média histórica. O levantamento é da Consultoria Safras $ Mercado. Em termos de estado, a semeadura já foi finalizada no Paraná; chega a 96,6% no Rio Grande do Sul; 92,5% em Santa Catarina; 89,7% em São Paulo; 82,9% em Goiás/DF; 82,6% em Mato Grosso; 77% em Mato Grosso do Sul e 76,6% em Minas Gerais.
– Levantamentos preliminares indicam que as lavouras de milho vêm sendo castigadas pela estiagem e pode-se considerar perdas irreversíveis, sobretudo nos estados do Sul. Ainda é cedo para estimar o tamanho do prejuízo; mas, devido à escassez hídrica, é possível afirmar que os problemas irão se avolumar pela frente, caso o clima não se regularize logo. De acordo com técnicos ouvidos pela agência Safras & Mercado, as lavouras no Rio Grande do Sul se dividem em fase de florescimento (50%) e enchimento de grãos (50%), período crítico em que o milho necessita de bons volumes de chuva.
– No mercado doméstico, os preços se mantêm firmes; mas, mostram ter chegado a um topo para este momento, sofrendo certa pressão nas indicações de compra. Mais ofertas aparecem no mercado; porém, diante da expressiva elevação de custos para o setor de carnes, muitas integrações acabam adotando uma postura mais retraída, aguardando algum possível movimento de queda dos preços enquanto consomem os estoques próprios.
– Isto tem gerado certa distância entre as indicações de venda e os BIDs de compra. Interesse de compra no oeste do estado, na faixa de R$ 77,00/78,00 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, na faixa de R$ 73,00/75,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em leve baixa neste momento, na faixa de R$ 5,36. Na sessão anterior, fechou em, R$ 5,388. (Granoeste – Camilo / Stephan).