Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em baixa de 13 a 15 cents, a U$ 14,03/março, nesta manhã de terça. Depois do feriado de ontem nos EUA, os investidores retomam os negócios ainda focados no clima na América do Sul, no atraso da colheita e na persistência da demanda.
– As cotações na bolsa norte-americana seguem nos melhores patamares em mais de oito anos. A combinação entre redução da oferta global e demanda em alta coloca os estoques finais no menor nível desde a temporada 2013/14, quando, nos EUA, eram de 2,5MT e, no mundo, de 61,8MT.
– Depois disto, os estoques foram crescendo até atingir os maiores volumes da história na temporada 2018/19, chegando a 24,7MT nos EUA e a 113,5MT no mundo. Para a temporada 2020/21, os estoques finais dos EUA estão projetados em 3,8MT e, para o mundo, em 84,3MT.
– No Brasil, embora a evolução das lavouras esteja atrasada, as primeiras colheitas começam a aparecer. De acordo com levantamento da consultoria AgRural, 0,4% da área já foi colhida, ante 1,8% da mesma época do ano passado. No Mato Grosso, o IMEA informa que os trabalhos chegam a 0,8%, ante 5,8% de um ano atrás.
– Internamente, as indicações de compra seguem firmes, impulsionadas pelos fortes ganhos das últimas semanas na bolsa norte-americana. Além da evolução dos preços, os participantes seguem atentos ao comportamento do clima, notadamente agora que, na maioria das regiões, as lavouras estão na fase mais decisiva de sua evolução – formação de vagens e grãos.
– Para embarque em fevereiro e março, os prêmios são indicados na faixa entre 45 e 80 cents acima de Chicago. Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 165,00/166,00 e em Paranaguá, entre R$ 169,00/170,00.

MILHO – CBOT opera ligeiramente estável nesta manhã de terça-feira, cotado a U$5,32/março. Ontem não houve sessão devido ao feriado de Martin Luther King, nos EUA.
– De acordo com a consultoria AgRural, a colheita do milho verão atinge 3,4% na região Centro-Sul do Brasil, sendo 2,5% a mais, comparativamente ao mesmo período do ano anterior. Até agora, RS e SC lideram o ritmo de colheita e os produtores relatam perdas significativas, da ordem de 30% a 40%, devido ao clima adverso. A safra de verão é estimada pela Conab em 23,9MT; enquanto que a safra total desta temporada, somando-se verão e inverno, é projetada em 102,3MT.
– Além das adversidades climáticas, produtores de diversas regiões relatam a ocorrência de mais um agravante para a evolução das lavouras de milho: um intenso ataque de cigarrinhas, que acaba danificando as plantas e reduzindo ainda mais a produtividade do milho verão. Em princípio, pelos relatos, as regiões mais afetadas englobam o sudoeste do Paraná, se estendendo até o norte e oeste de Santa Catarina.
– Interesse de compra, no oeste do estado, na faixa de R$ 80,00/81,00 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, na faixa de R$ 82,00/84,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em baixa neste momento, na casa de 5,26. Ontem fechou em R$ 5,305. (Granoeste – Camilo / Stephan).