Comentário de Mercado

SOJA – Chicago volta a operar com perdas acentuadas (queda de 30 a 32 cents, a U$ 13,55/março) nesta manhã de quarta-feira. Melhora das chuvas no Brasil e perspectiva de encaminhamento de uma safra mais próxima da normalidade, acaba colocando fundos e investidores na ponta vendedora, liquidando parte das posições adquiridas ao longo de semanas e meses de ganhos.
– Desde a última sexta-feira, o mercado vem operando em baixa e, e em três sessões, acumula queda de 5%. Os ganhos, porém, ainda são da ordem de 17% desde o início de dezembro e de cerca de 40% desde meados de agosto.
– Apesar dos ajustes dos últimos dias, os fundamentos seguem firmes, postados na redução dos estoques norte-americanos e mundiais, que estão previstos no menor patamar desde a temporada 2013/14. Isto é resultado de certa redução da produção nos últimos anos, combinado com aumento do consumo.
– O Deral informa que 4% das lavouras de soja do Paraná entraram na fase de maturação, ante 2% da semana anterior; 55% estão na fase de formação de grãos; 36%, em floração e 5% em desenvolvimento vegetativo. Em relação à qualidade das lavouras, 83% são tidas como boas; 15%, médias e 3%, ruins. A produção é esperada em 20,4MT, ante 20,8MT do ciclo passado.
– Internamente, as indicações de compra se mantém firmes, mesmo com o recente recuo dos preços em Chicago. Depois de muitos percalços, a maioria das regiões produtoras recebeu bons volumes de chuvas e houve um melhor alinhamento da evolução das lavouras. Muito esparsas ainda e com atraso, as primeiras colheitas começam a aparecer no Paraná e no Mato Grosso, mas o índice mal chega a 1%.
– Para embarque em fevereiro e março, os prêmios são indicados na faixa entre 50 e 80 cents acima de Chicago. Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 164,00/166,00 e em Paranaguá, entre R$ 168,00/170,00.

MILHO – CBOT opera em forte queda, de 10 a 12 cents, nesta manhã de quarta-feira, cotado a U$5,15/março. Ontem pregão fechou em U$5,26, com queda de 5 cents.
– Os embarques de milho norte-americano, na semana passada, ficaram abaixo do esperado. Traders estimavam algo entre 0,9MT e 1,25MT; porém, o volume ficou em 0,83MT; também ficou abaixo da primeira semana de janeiro, quando foram embarcadas 1,3MT. Na temporada 2020/21, iniciada em setembro, o volume despachado chega a 17,27MT, 82% acima no comparativo com o mesmo período do ciclo passado.
– A China importou volumes recordes de milho e trigo em 2020. No milho, o volume foi de 11,3MT, acima da cota anual de 7,2MT. No trigo, as importações atingiram 8,38MT, chegando próximo a cota anual de importação, de 9,64MT.
– Na Argentina, as lavouras de milho se encontram nos seguintes estágios: polinização, 60%; enchimento dos grãos, 18% e o restante em desenvolvimento vegetativo. Cerca de 10% está ainda por ser semeado. Quanto à qualidade, as lavouras estão assim ranqueadas: bom/excelente, 19%; regular, 65% e ruim/muito ruim, 16%. Na mesma época do ano passado as áreas tidas como boas/excelentes somavam 55%. A deterioração se deve às irregularidades climáticas que ainda assolam as regiões de cultivo.
– De acordo com o USDA, a colheita de milho na Argentina deve alcançar 47,5MT; a Bolsa de Grãos de Buenos Aires prevê 47MT e a Bolsa de Rosário, 46MT. Na safra anterior a produção foi de 51MT.
– De acordo com o Deral, as lavouras de milho verão no Paraná estão na fase de desenvolvimento vegetativo (4%), floração (15%), frutificação (57%) e maturação (24%). As condições são: boas/excelentes (79%), regulares (16%) e ruins (5%). A safra de verão é estimada em 3,38MT, sendo 5% menor em comparação com as 3,56MT colhidas no ano passado.
– A segunda safra de milho (safrinha) já tem seus trabalhos iniciados em 1% no Paraná. Encontram-se nos estágios de germinação (61%) e desenvolvimento vegetativo (39%). A safrinha do estado é projetada em 13,45MT, 14% a mais em relação à temporada anterior, que foi de 11,8MT.
– Interesse de compra, no oeste do estado, na faixa de R$ 80,50/81,50 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, na faixa de R$ 81,00/83,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em leve queda neste momento, na casa de 5,32. Ontem fechou em R$ 5,345. (Granoeste – Camilo / Stephan).