Comentário de Mercado

SOJA – Depois de três sessões em queda e perdas de 60 cents, os preços, na CBOT, buscam certa recuperação e operam em alta de 14 a 16 cents, a U$ 13,85/março nesta manhã de quinta-feira.
– Apesar do crescente aperto no quadro de oferta e demanda observado nos últimos meses, o alinhamento da safra brasileira, após um período de chuvas mais consistentes, acaba por estabelecer certa limitação para a evolução dos preços.
– Há poucos dias, o mercado foi além dos U$ 14,00 e chegou ao melhor patamar desde junho de 2014, diante do cenário de aumento da demanda, combinado com estagnação e até redução da oferta.
– No último ano, a China comprou 64,3MT de soja do Brasil, aumento de 11,5% sobre o ano anterior. Dos EUA foram 25,6MT, incremento de 53% quando comparado a 2019, de acordo com dados do sistema de administração alfandegária do país. A China apresentou uma rápida recuperação do rebanho de suínos, depois que a epidemia de peste suína africana dizimou parte dos plantéis entre 2018 e meados de 2019.
– Internamente, as indicações de compra recuaram alguns passos neste meio de semana, refletindo a queda na bolsa norte-americana e certa contenção do câmbio. Porém, o interesse de compra é generalizado e segue a disputa por lotes disponíveis. Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 165,00/166,00 e em Paranaguá, entre R$ 169,00/171,00 por saca.

MILHO – CBOT opera em alta, de 9 a 10 cents, a U$ 5,31/março, nesta manhã de quinta-feira. Ontem, o pregão fechou em U$5,22, com queda de 4 cents. Há certa pressão nos mercados devido às boas chuvas dos últimos dias na América do Sul; dessa forma, o cenário fica mais otimista para esta reta final da safra verão.
– Apesar de as chuvas promoverem certa arrefecida nos preços internacionais, o mercado anda mais animado pela expectativa da aprovação de novos estímulos econômicos, sobretudo nos EUA, para combater os efeitos negativos da pandemia.
– Na Argentina, as vendas de milho deram uma boa acelerada nessa última semana, depois que o governo liberou novamente as exportações. Produtores temem que haja novas tentativas de interferência do governo. Somando grãos e óleo de soja, as vendas semanais chegaram a quase 3,0MT, ante 1,6MT da mesma semana do ano anterior. Isoladamente, as vendas de milho para safra nova superaram o volume de 1,0MT na semana.
– De acordo com o IMEA, o Mato Grosso exportou 2,89MT de milho em dezembro. De julho a dezembro foram embarcadas para o exterior 20,1MT, 3% acima das exportações da safra anterior, que ficaram em 19,5MT, no mesmo período.
– Interesse de compra, no oeste do estado, na faixa de R$ 80,00/81,00 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, na faixa de R$ 81,00/83,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em queda neste momento, na casa de 5,25. Ontem fechou em R$ 5,310. (Granoeste – Camilo / Stephan).