Comentário de Mercado

SOJA – Chicago opera em queda de 2 a 3 cents, a U$ 8,94/maio. Ontem o mercado fechou com perdas de 10 cents, depois de três sessões de alta.
O mercado segue pressionado por uma onda de notícias negativas em meio ao avanço do coronavírus por diversos países e pelos temores de redução do crescimento econômico mundial. Além disto, o relatório semanal de exportações de soja dos EUA foi desanimador, com apenas cerca de 0,35MT e praticamente zero para a China. Entra também nesta conta negativa a alta do dólar contra as principais moedas internacionais e a perspectiva de que os estoques norte-americano voltem a subir no relatório de oferta e demanda – que será apresentado pelo USDA na próxima terça-feira.
Por outro lado, a China deve isentar, pelo período de um ano, as indústrias esmagadoras do pagamento do imposto de importação de soja dos EUA. A tendência é que os negócios comecem a acontecer, atendendo ao acordo assinado em janeiro (embora o produto brasileiro esteja mais competitivo e de melhor qualidade). Com o aumento do plantel de suínos – em razão do maior controle da epidemia de peste suína africana – a China irá importar cerca de 8% a mais do que no último ano, chegando a algo entre 88MT/89MT.
Nos EUA e no Brasil o consumo interno também está com viés de alta. No caso brasileiro, além do incremento na produção de carnes, entrou em vigor a adição de 12% de óleos vegetais na produção do biodiesel.
Enquanto isto, na Argentina as projeções de safra, que chegavam a 54MT, devem ser revistas para baixo em razão da estiagem que atinge diversas regiões produtoras; mesma onda de seca e altas temperaturas que afetam as lavouras do Rio Grande do Sul.
No Brasil, a quinta-feira foi tumultuada diante da expressiva alta da taxa cambial, que bateu um novo e disparado recorde. Apesar das perdas em Chicago, os preços em Reais ganharam força e houve bom volume de negociações.
No início dos trabalhos desta sexta-feira, o mercado se apresenta mais calmo, com primeiras indicações de compra no oeste do estado na faixa entre R$ 85,50/86,50, dependendo de local, período de embarque e data de pagamento; em Paranaguá, na faixa entre R$ 93,00/93,50.
MILHO – Os contratos futuros de milho em Chicago trabalham no campo negativo (2 a 3 cents) nesta manhã de sexta-feira, a 3,79/maio. Ontem, fechou com 3,5 cents de baixa. A BMF trabalha zerada, cotada a R$50,20/maio.
As atenções se voltam para a as condições do milho safrinha que, além de boa parte ser plantada fora da janela ideal, o clima com pouca umidade começa a levantar preocupações. O plantio da safrinha atingiu 67% até o final de fevereiro, em nível de Brasil. No ano passado, esse índice era de 79% e 63% de média. Os dados são da AG Rural.
Mercado de milho segue com poucas negociações e baixo volume de ofertas. Segundo o analista Paulo Molinari, com a elevação do dólar contra o real há ainda mais restrição nas vendas de milho – o que garante sustentação e avanço nas cotações.
O tempo seco afeta a safra de milho verão no Rio Grande do Sul. A EMATER projeta redução na ordem e 21% em relação às estimativas iniciais, caindo para 4,7MT. A colheita chega a 53% e as lavouras a serem colhidas encontram-se em: 6% desenvolvimento vegetativo; 7% em floração e 17% em enchimento de grãos e 17% na fase de maturação.
Mercado doméstico segue firme, com patamares de preços se mantendo em níveis considerados altos. A safra de verão chega ao mercado de forma cadenciada e esparsa – sem causar pressão nas cotações. No oeste do estado, indicações de compra entre R$ 47,00/48,00 – dependendo de prazos e de localização. Porto, com indicações entre R$ 43,50/45,00 por saca.
(AS INDICAÇÕES DE PREÇO, TANTO PARA SOJA QUANTO PARA MILHO, SÃO UMA IDEIA GENÉRICA DE PREÇOS PARA O OESTE DO ESTADO E, EVENTUALMENTE, PARA O PORTO DE PARANAGUÁ. PARA INDICAÇÕES MAIS PRECISAS É NECESSÁRIO SUBMETER O LOTE EM QUESTÃO NUMA PROPOSIÇÃO FIRME DE VENDA PARA O MERCADO – PARA ISTO, LIGUE PARA GRANOESTE: (45) 3220-8383).
DÓLAR – Opera em novo recorde, na faixa de R$ 4,67. Ontem fechou em R$ 4,65. (GRANOESTE CORRETORA – Camilo /Stephan).