Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em forte alta, entre 20 e 22 cents, a U$ 14,03 nesta manhã de terça-feira (ultrapassando novamente a marca dos U$ 14,00). Os fundamentos indicam continuidade do aperto no quadro de oferta e demanda. O volume demandado se mostra mais robusto do que a capacidade de produção.
– Apesar da perspectiva de aumento de área nos EUA em cerca de 9%, a produção está avaliada em 123MT, volume insuficiente para repor os estoques na próxima temporada. O quadro mundial segue pelo mesmo caminho, mesmo diante da projeção de um novo recorde de safra no Brasil.
– A colheita da safra brasileira chega a 12,4%, ante 30,4% da mesma época do ano passado e 26,6% de média histórica. O levantamento é da consultoria Safras & Mercado, com base na última sexta-feira. No MT, os trabalhos estão concluídos em 34% (ante 74% de um ano atrás); em GO, 14% (29%); em MG, 9% (17%); no Paraná, 5% (25%) e no MS, 5% (21%).
– Internamente, os preços se mantêm firmes. Os prêmios nos portos brasileiros, no mercado spot, cederam ao campo negativo, com indicações entre 15 pontos negativos a 10 pontos positivos. Prêmios pressionados e fretes em alta limitam as indicações de compra no interior. Negócios continuam escassos e pontuais uma vez que a principal preocupação é acelerar o embarque dos lotes vendidos antecipadamente.
– Indicações de compra no oeste do estado na faixa entre R$ 155,00/157,00 para embarque curto. Em Paranaguá, interesse de compra na faixa de R$ 164,00/166,00 por saca.

MILHO – CBOT opera em alta de 2 a 4 cents, a U$ 5,55/março, nesta manhã de terça-feira. Ontem, o pregão fechou em U$5,51, alta de 8 cents. Mercado segue sustentado pela alta em outras commodities, como o trigo, soja e petróleo; além disto, pelo ânimo a respeito de um novo pacote de injeção de capital na economia norte-americana divulgado pelo Presidente Joe Biden, que pode chegar à cifra de 1,9 trilhão de dólares.
– As inspeções de exportação de milho norte-americano referentes à semana passada atingiram 1,23MT, ficando acima das expectativas; o mercado aguardava algo como 0,95MT.
– De acordo com a Secex, as exportações de milho, até aqui, em fevereiro, somam 0,75MT. O volume é três vezes superior ao embarcado no mesmo período do ano passado.
– A colheita de milho verão atinge 30,2% em nível de Brasil. Em período equivalente da safra anterior, o percentual era de 32,8%. A colheita por estados chega a 53,8% no Rio Grande do Sul, 39,8% em Santa Catarina, 28,2% em São Paulo, 22,4% no Paraná e 4,1% Minas Gerais. As informações são da consultoria Safras & Mercado.
– O plantio de milho safrinha em nível de Brasil chega a 14,3% na atual temporada, ante 47,1% do mesmo período da estação anterior, informa a consultoria Safras & Mercado. Por estado, os trabalhos chegam a 22,3% no Mato Grosso, 10,8% no Paraná, 10,2% em Goiás, 5,9% em São Paulo, 4,8% no Mato Grosso do Sul e 3,7% em Minas Gerais.
– Interesse de compra, no oeste do estado, na faixa de R$ 79,00/80,00 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, na faixa de R$ 82,00/84,00 por saca.
CÂMBIO – Dólar opera em leve queda, na casa de 5,44. Ontem, fechou em forte alta, a R$ 5,454 (Granoeste – Camilo / Stephan).