Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera novamente em queda, de 4 a 6 cents, a U$ 14,61/julho, neste momento, manhã de quarta-feira. Desde o início da semana passada, as perdas acumuladas chegam a 8%.
– O mercado é pressionado por uma série de fatores negativos: melhora do clima em extensas áreas do Meio Oeste, notadamente na porção mais ao norte; perspectiva de aumento de área no relatório deste final de mês; esmagamento da indústria norte-americana abaixo do esperando durante maio e intensificação de vendas por parte de investidores.
– Porém, o fator preponderante que derrubou o mercado nos últimos dias é a pressão exercida por lobbies da indústria petrolífera para que o governo diminua o percentual de bicombustíveis na mistura com gasolina e diesel.
– No último relatório de oferta e demanda, o USDA estima que, na temporada 2021/22, os EUA irão destinar 5,44MT de óleo de soja para a produção de biodiesel. Este volume de óleo é resultado do esmagamento de cerca de 25,0MT de soja. Na atual estação, 2020/21, o volume de óleo destinado a biodiesel chega 4,31MT.
– No caso do milho, neste ano, 126,4MT serão alocadas para a produção de etanol; no próximo ano, o volume está previsto em 132,1MT.
– Portanto, se o governo ouvir os apelos do setor energético e reduzir o uso de biocombustíveis na produção de gasolina e diesel, haverá um forte impacto negativo sobre a demanda de óleo de soja e de milho, com consequências negativas para os preços das duas commodities.
– É bom lembrar que, durante o governo Trump (menos dedicado a questões ambientais e num momento de preços mais acomodados), houve tentativa de mudar a lei que exige crescente uso de biocombustíveis. Porém, tal tentativa foi barrada pela Suprema Corte do país.
– As exportações brasileiras de soja devem ultrapassar 11,5MT em junho, volume similar ao do mesmo mês do ano passado. Até aqui, na temporada, os embarques totalizam 55,2MT, ante 51,9MT do mesmo intervalo do ano passado.
– No mercado interno, os negócios seguem travados, com preços pressionados em todas as praças. Além das perdas na bolsa norte-americana, câmbio e prêmios seguem acomodados. No spot, os prêmios são indicados entre ao par e 10 cents positivos. Indicações de compra no oeste do estado na faixa entre R$ 156,00/158,00 e no porto entre R$ 163,00/165,00 – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – Depois de várias sessões em queda, os preços do milho operam em alta na CBOT, entre 6 e 8 cents, a U$ 6,76/julho, neste momento, manhã de quarta-feira. Ontem, a posição presente fechou no campo positivo, porém, os vencimentos mais distantes seguiram registrando perdas.
– O mercado se mantém focado essencialmente na informação de que, nos EUA, empresas ligadas ao ramo petrolífero pressionam o governo para que reduza a proporção de biocombustíveis (biodiesel e etanol) na composição do diesel e da gasolina; contudo, até agora nada foi oficializado e será objeto de muito debate pela frente.
– Além disto, o mercado especula sobre o aumento da área semeada, cujo relatório final será divulgado no final deste mês. A meteorologia também indicou certa melhora do regime de chuvas nas áreas mais ao norte do país.
– De acordo com levantamento da consultoria Datagro, até o dia 4 de junho, em nível de Brasil, 57% do milho safrinha já teria sido comercializado, ante 61% da mesma época do ano anterior e 53,2% de média.
– No mercado interno, os preços vivem certa pressão, típica de início de colheita. Porém, a intensidade das perdas tende a manter os preços em níveis superiores à paridade de exportação (cujos parâmetros estão pressionados pela queda dos preços internacionais e certa contenção do câmbio). Cresce a expectativa em relação aos índices de produtividade e qualidade dos grãos das primeiras colheitas. Do lado comprador, a esperança é pelo aumento da oferta com a chegada de produto novo e pela intensificação das vendas dos lotes remanescentes da safra anterior.
– Interesse de compra no oeste do Paraná na faixa de R$ 90,00/92,00 por saca, dependendo de localização e prazo; em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 82,00/84,00 por saca.

CÂMBIO – Dólar opera em leve alta, cotado em R$5,05 neste momento. Ontem, fechou em R$ 5,042. (Granoeste – Camilo / Stephan).