Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera novamente em forte alta, de 25 cents, a U$ 14,56/agosto, neste momento, manhã de quinta-feira. Ontem, o mercado foi sacudido pelas projeções trimestrais de estoques e de área plantada, os quais ficaram abaixo do esperado pelo mercado, contrariando todas as expectativas pré-relatórios e os ganhos ficaram na faixa de 90 cents.
– De acordo com o USDA, os produtores norte-americanos semearam 35,45 milhões de hectares, a mesma extensão prevista pelo órgão em fins de março. O mercado aguardava pelo menos 36,1MH. Em relação ao ano passado, a área semeada apresenta aumento de 5,5%.
– Os estoques de soja em primeiro de junho foram avaliados pelo USDA em 20,87MT, ante 37,72MT da mesma data do ano passado. O mercado esperava por pelo menos 21,65MT.
– O mercado passa a trabalhar embasado em importantes definições: na semana passada a Suprema Corte dos EUA permitiu que o órgão ambiental do país aceite pedidos de pequenas refinarias para que reduzam a mistura de biocombustíveis em seus produtos. Ontem o USDA expôs os levantamentos de estoques (os menores em 9 anos), bem como a extensão semeada nesta campanha.
– Uma vez conhecidas estas definições, o mercado pende para recuperar o espaço perdido. O comportamento do clima nos campos do Meio Oeste é a grande variável que permanece como incógnita e dela dependerá o futuro dos preços, agora assentado em novas bases.
– O mercado brasileiro apresenta alguma movimentação como base nos expressivos ganhos observados no mercado internacional. Prêmios no mercado spot entre 30 e 50 cents.
– Indicações de compra aumentaram cerca de R$ 10,00 por saca como consequência dos relatórios de ontem. No oeste do estado, preços são indicados na faixa de R$ 158,00/159,00 e em Paranaguá, na faixa de R$ 164,00/165,00 por saca – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – A Bolsa de Chicago opera novamente em expressiva alta, em torno de 25 cents, a U$ 6,24/set, neste momento, manhã de quinta-feira. Ontem, as principais posições fecharam com alta de 40 pontos, no limite de alta.
– Mercado reage fortemente ao relatório trimestral de estoques norte-americanos e à área de plantio, que contrariaram as expectativas do mercado e ficaram bem abaixo do esperado.
– Em relação aos estoques, além da soja, milho e trigo vieram com volumes abaixo do esperado pelo mercado, com forte impacto positivo nas cotações. Para o milho, a expectativa era de 106,8MT, e o report veio com 104,46MT. Para o trigo, mercado estimava 23,35MT e o relatório veio com 22,97MT.
– A respeito da área semeada para o milho, o mercado esperava 38,0MH, e o relatório veio com 37,52MH; porém, ligeiramente acima dos 36,9MH previstos na primeira intenção de plantio, em março. A área de trigo ficou um pouco acima do que analistas estimavam, indo de 18,60MH para 18,90MH.
– Internamente, os participantes seguem avaliando as perdas resultantes das intensas geadas desta semana. Isto deixa o mercado sem uma referência mais apurada, pois, praticamente não há lotes em oferta. O mercado segue em busca de um preço denominador que se ajuste à nova realidade. De qualquer maneira, vagas indicações de compra são sugeridas na faixa de R$ 90,00/93,00 no oeste do estado e em Paranaguá, entre R$ 80,00/82,00.
CÂMBIO – Opera em leve baixa, a R$ 4,96 neste momento; ontem fechou em R$ 4,972 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).