Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em alta entre 10 e 12 cents, a U$ 14,43/agosto, neste momento, manhã de quinta-feira. Ontem a posição presente registrou ganhos de 13 cents, enquanto que as posições mais distantes fecharam com alta de apenas 2 a 3 cents. Investidores voltam a atuar na ponta compradora, recompondo suas carteiras.
– Clima quente e seco segue promovendo suporte para as cotações de soja e milho. Porém, as previsões indicam temperaturas mais amenas e chuvas esparsas no decorrer da próxima semana. Tempo um tanto mais favorável, combinado com embarques lentos para o exterior, acabam limitando ganhos mais acentuados na CBOT.
– O USDA informou que as vendas de soja para o exterior, na última semana, somaram apenas 0,23MT, incluindo as duas temporadas. No acumulado, nesta estação o volume exportado chega a 61,9MT, ante 46,7MT do ciclo passado. Os embarques totalizam 59,1MT, ante 39,1MT do mesmo intervalo da temporada anterior. Restando seis semanas para fechar a temporada (em 31 de agosto), os EUA precisariam embarcar uma média semanal de 0,45MT para que se cumpra a meta de exportações de 61,8MT; porém, nas últimas semanas o volume semanal tem ficado na faixa de 0,2MT/0,25MT.
– No mercado interno, as negociações seguem lentas. Depois de um grande volume de operações antecipadas, os produtores se mantêm retraídos à espera de melhores preços. Embora a bolsa norte-americana registre ganhos, as Indicações de compra se apresentam um tanto pressionadas em razão da acentuada queda na taxa de câmbio, que voltou a operar na região de R$ 5,10.
– Por outro lado, os produtores seguem atentos a possíveis sobressaltos nos preços, uma vez que a safra norte-americana está no período mais crítico de sua evolução e o clima não tem sido muito amigável. Internamente, agosto começa com a retomada dos trabalhos da CPI, que sempre pode promover turbulências e mexer com o câmbio.
– Prêmios nos portos brasileiros são indicados na faixa de 80/95 no spot e entre 130/140 para embarque setembro. Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 163,00/164,00 e em Paranaguá, na faixa de R$ 168,00/170,00 por saca – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – A Bolsa de Chicago opera em leve alta, a U$ 5,51/set, neste momento, manhã de quinta–feira. Ontem, o mercado fechou com cotações ligeiramente positivas nos principais vencimentos.
– O clima seco e quente nos EUA persiste, com poucas chuvas previstas até este fim de semana na região do Corn Belt. De acordo com o Commodity Weather Group, 15% das áreas de soja e milho estão sob estresse hídrico. Já, em relação ao trigo de primavera, que é semeado mais ao norte, dois terços das lavouras se encontram em situação delicada e as chuvas previstas para agosto podem chegar tarde demais.
– Segundo dados da Energy Information Adminstration, a produção de etanol nos EUA chega ao menor patamar em dois meses; enquanto isto, os estoques subiram para os maiores níveis em cinco meses. Na última semana, a produção do biocombustível foi de 1,014 milhão de barris/dia, queda de 1,5% em relação à média de 1,028MB/dia da semana anterior.
– O USDA acaba de informar que as exportações de milho, na última semana, somaram apenas 0,42MT, incluindo as vendas referentes às temporadas 2020/21 e 2021/22. No acumulado, o volume chega a 69,7MT, ante 43,9MT do mesmo período da estação anterior. Os embarques da semana chegaram a 1,36MT, elevando o total da estação para 62,1MT, ante 38,0MT do mesmo intervalo do ciclo passado. Para fechar o programa de exportações do USDA, de 72,4MT, os EUA precisariam embarcar uma média de 1,70MT por semana até o final de agosto, quando se encerra o ano agrícola (bem mais do que os volumes das últimas semanas, que tem ficado entre 1,0MT/1,3MT)
– O mercado doméstico se mantém com preços firmes, mesmo com a intensificação da colheita da safrinha. A sustentação é promovida pela drástica perda de produção e necessidade de importação. Contrariamente a anos anteriores, os preços domésticos serão balizados pela paridade de IMPORTAÇÃO e não pela paridade de EXPORTAÇÃO. A participação dos vendedores segue limitada. Indicações de compra são sugeridas na faixa entre R$ 102,00/103,00 no oeste do estado, dependendo de prazos e de localização; em Paranaguá, entre R$ 79,00/81,00.
CÂMBIO – opera em baixa, em R$ 5,08. Ontem, fechou com queda acentuada de quase 1,5%, a R$ 5,11 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).