Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em queda de até 6 cents, a U$ 14,00/agosto, no encerramento da sessão eletrônica, manhã de quinta-feira. O clima adverso segue promovendo suporte para os preços; porém, a ausência da China e, sobretudo, o avanço da variante delta do coronavírus na Europa e nos EUA limitam os ganhos ao colocar em dúvida o ritmo de retomada da economia.
– O mercado demonstra ansiedade pelo relatório de oferta e demanda de agosto, que será divulgado pelo USDA na quinta-feira da próxima semana. Além do fato de as lavouras estarem no período crítico de sua evolução, em agosto, a estimativa de colheita é definida com base em pesquisa de campo.
– Internamente, os negócios seguem lentos. Algumas regiões começam a apresentar preços acima da paridade internacional em razão do aumento da demanda para consumo interno e local. Prêmios nos portos entre 145/155 sobre a CBOT.
– Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 162,00/164,00 e em Paranaguá, na faixa de R$ 166,00/167,00 por saca – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – A Bolsa de Chicago opera em alta, de 2 a 6 pontos nos principais vencimentos no intervalo das operações, nesta manhã de quinta-feira. Setembro é cotada a U$ 5,52. Ontem, o mercado fechou com cotações negativas de 4 a 5 pontos devido a certa melhora no clima norte-americano e demanda mais fraca pelo grão estadunidense, notadamente pela menor produção de etanol.
– Chuvas estão previstas para este final de semana em extensas áreas do Corn Belt, onde as temperaturas estão bastante altas nos últimos dias. Na maioria dos estados a expectativa de produtividade é boa, com exceção de três estados mais ao norte (Minessota, Dakota do Norte e do Sul).
– O mercado doméstico apresenta certo recuo nas cotações, com o surgimento de maior volume de ofertas, tanto de lotes remanescentes de produto velho como de produto novo. Algumas integrações buscaram se abastecer com mais intensidade assim que houve agravamento das perdas com as geadas (aproveitando o grande volume de operações de wash out e importações) e agora se mantêm mais acomodadas em suas indicações de compra. Por outro lado, a colheita se intensifica em todas as regiões do país; boa parte dos produtores consideram a importância de atuar na ponta vendedora nos atuais patamares de preço.
– Em razão da acentuada queda na produção, contrariamente a anos anteriores, os preços domésticos tendem a ser balizados pela paridade de IMPORTAÇÃO e não pela paridade de EXPORTAÇÃO. Poucas indicações de compra nesta manhã, as quais são sugeridas em algo como R$ 100,00/101,00 no oeste do estado, dependendo de prazos e de localização; em Paranaguá, entre R$ 79,00/80,00.
CÂMBIO – opera em queda, a R$ 5,14, respondendo à elevação da Taxa Selic de um ponto percentual, para 5,25%. Ontem fechou em R$ 5,19 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).