Comentário de Mercado

SOJA – CBOT se encontra com 3 pontos de baixa, a U$ 13,66/setembro, neste momento, intervalo da sessão desta quarta-feira. Ontem houve queda entre 6 e 7 cents nos principais vencimentos. O mercado segue atento na evolução das lavouras norte-americanas, na demanda chinesa e nos relatos emitidos pelos membros do Crop Tour que está percorrendo o Meio Oeste nesta semana.
– Outro ponto que chama a atenção é a paralisação do transporte marítimo provocado pelo fechamento de mais unidades do Porto de Ningbo Zhoushan, na China, terceiro maior terminal de contêineres do mundo. Isto vem causando sérias preocupações sobre a retomada da economia mundial. O fechamento, causado por novos casos de coronavírus, já provoca engarrafamento de cerca de 350 navios e forte elevação das tarifas dos fretes marítimos.
– Apesar da pressão momentânea, os fundamentos seguem positivos. A China voltou a comprar com mais intensidade no mercado norte-americano, programando embarques para o início da próxima temporada, que começa no início de setembro. Além disto, as lavouras dos EUA apresentaram piora na última semana, sobretudo nos estados mais ao norte do cinturão.
– O último boletim do USDA sobre acompanhamento de safra indica que 57% das lavouras estão ranqueadas como boas/excelentes, ante 60% da semana anterior e 72% de um ano atrás. Enquanto isto, 81% das áreas estão na fase de formação de vagens.
– O Crop Tour, promovido pela ProFarmer segue pelos campos do Meio Oeste. Em Indiana (porção leste), as lavouras se apresentam com qualidade superior à média dos últimos anos. Foram contadas 1.240 vagens no espaço de um metro quadrado, ante 1.172 da média de três anos. No ano passado foram 1.281 vagens.
– No outro lado (perna oeste), em Nebraska, a contagem de vagens registra um índice menor do que a média. Foram encontradas 1.226 vagens no espaço de um metro quadrado, contra 1.269 da média de três safras e 1.298 no ano passado.
– As exportações brasileiras de soja somam até aqui, em agosto, 3,84MT, informa a SECEX. Nesta temporada, o volume chega a 73,72MT, ante 73,6MT do mesmo intervalo do ano passado.
– Ritmo de negócios domésticos segue comedido; porém, os preços vêm se mantêm firmes, postados na firmeza do câmbio e prêmios. Algumas regiões têm suas indicações de compra se distanciando da paridade internacional em razão da intensificação da demanda local. Prêmios nos portos se mantêm firmes, entre 150/165 sobre a CBOT.
– Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 172,00/174,00 e em Paranaguá, na faixa de R$ 176,00/178,00 por saca – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – CBOT chega ao intervalo, nesta manhã de quarta-feira, com leves ganhos, a U$ 5,61/setembro. Ontem, houve baixa de 5 a 6 cents nos principais vencimentos. Apesar da queda na qualidade das lavouras de milho dos EUA, o mercado está atento aos relatos enviados pelo Crop Tour, promovido pela ProFarmer, que segue seu roteiro nesta semana por vários estados centrais de produção.
– O Crop Tour encontrou melhores lavouras de milho no estado de Ohio do que na média dos últimos três anos. Nebraska e Indiana também estão melhores do que ano passado. Contudo, os estados mais ao norte (Dakota do Norte e Sul e Minessota) apresentam sérios transtornos em razão do clima adverso. Na medida em que o Crop Tour avança por estes estados vamos tendo a real dimensão das perdas.
– As exportações brasileiras de milho somam até aqui, neste mês de agosto, 2.13MT, informa a SECEX. Na temporada, os embarques chegam a 5,47MT, ante 8,6MT do mesmo intervalo do ano passado.
– O mercado doméstico se apresenta com preços mais acomodados nos últimos dias. Com o avanço da colheita, melhora o volume de oferta num cenário de preços ainda atrativo para o produtor. Por outro lado, a pressão sobre os preços é limitada e momentânea, uma vez que as perdas são generalizadas e profundas. Além do drástico corte na produção, os estados mais ao sul da região produtora de safrinha sofrem com a colheita de grãos de baixa qualidade, notadamente das lavouras semeadas mais tardiamente.
– Em razão da acentuada queda na produção, os preços domésticos tendem a ser balizados pela paridade de IMPORTAÇÃO e não pela paridade de EXPORTAÇÃO, como em anos anteriores. Indicações de compra nesta manhã são sugeridas em algo como R$ 100,00/102,00 no oeste do estado, dependendo de prazos e de localização; em Paranaguá, entre R$ 83,00/85,00.

CÂMBIO – Opera em alta nesta manhã, a R$ 5,29; ontem fechou em R$ 5,267 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).