Comentário de Mercado

SOJA – Depois de perdas entre 12 e 15 cents nos principais vencimentos no pregão de ontem, a CBOT chega ao intervalo desta quarta-feira, com alta de 9 cents, cotada a U$ 12,86/novembro. Além de acompanhar a evolução final das lavouras nos campos do Meio Oeste, o mercado busca posicionar-se para o relatório de oferta e demanda de setembro.
– No fim da tarde de ontem, o USDA informou melhora de um ponto na qualidade das lavouras de soja dos EUA. Agora, 57% das áreas são consideradas boas/excelentes, ante 56% de uma semana atrás e 65% da mesma época do ano passado.
– Quanto ao estágio, 96% estão em formação de vagens e 18%, em maturação. Na semana, houve avanço de 3 pontos na formação de vagens e 9 pontos na maturação. Na mesma data do ano anterior, os índices eram, respectivamente, 98% e 18%.
– Nesta sexta-feira, o USDA irá divulgar o relatório mensal de oferta e demanda. Em relação ao mês anterior, o mercado aguarda um ligeiro aumento na produção dos EUA, para 118,7MT. O mesmo deve ocorrer com os estoques finais.
– A SECEX informa que, neste início de setembro, as exportações brasileiras de soja chegam a 0,76MT. Na temporada, o volume alcança 78,3MT, ante 77,4MT do mesmo intervalo do ciclo passado.
– No mercado doméstico os negócios estiveram paralisados neste início de semana, em face dos feriados nos EUA (na segunda-feira, Dia do Trabalho) e no Brasil (nesta terça-feira, Dia da Independência). O ritmo tende a seguir lento pela semana toda. Aos poucos, os preços internos, em algumas regiões, vão tendo indicações acima da paridade internacional em razão da demanda regional por parte de indústrias. A retenção promovida pelos produtores contribui para este cenário.
– Prêmios nos portos brasileiros são cotados entre 200/220 cents acima da CBOT. Indicações de compra no oeste do estado na faixa entre R$ 166,00/167,00; em Paranaguá, entre R$ 171,00/172,00 – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – CBOT chega ao intervalo desta manhã de quarta-feira com leves ganhos, cotada a U$ 5,14/dezembro. Ontem, houve queda entre 12 e 13 cents nos principais vencimentos.
– De acordo com o USDA, houve queda de um ponto percentual na qualidade das lavouras norte-americanas de milho no decorrer da última semana. Agora, são 59% das áreas consideradas boas/ excelentes, 27 regulares e 14% ruins/ muito ruins. Na mesma semana do ano passado, os índices eram, respectivamente, 61%, 25% e 14%.
– Em relação ao estágio, 95% estão em fase de espigamento, 74% em formação de grãos e 21% em maturação. No ano anterior, os índices eram, respectivamente, 97%, 77% e 23%.
– As exportações brasileiras de milho somam 0,53MT até aqui, em setembro, informa a SECEX. Na temporada, o volume chega a 8,22MT, contra 12,75MT do mesmo intervalo do ano anterior.
– A colheita de milho safrinha no Centro-Sul do Brasil chega a 93,8%, segundo levantamento da agência Safras & Mercado. Os trabalhos já foram finalizados no Mato Grosso; nos demais estados se encontram em: 94,8% em Goiás, 90,1% no Mato Grosso do Sul, 86,2% no Paraná, 84,7% em São Paulo e 80,3% em Minas Gerais.
– O plantio de milho da safra verão atinge 11,8% em nível de Brasil, de acordo com Safras & Mercado. O plantio chega a 37,4% no Rio Grande do Sul, 6,3% em Santa Catarina e 0,5% no Paraná. Nos demais estados os trabalhos ainda não foram iniciados.
– No mercado interno, esta semana, mais curta, tende a manter acomodadas as indicações de compra, em sequência do que vinha acontecendo nos últimos 15 dias. Segue pesando na formação do preço, o avanço da colheita, a recepção de contratos antecipados, as operações de washout, alguns volumes chegando do exterior e certa contenção dos preços internacionais. Por outro lado, a pressão sobre as cotações tende a ser limitada pelas perdas generalizadas e profundas da safra brasileira e pela dependência de importações, que já ultrapassam 1,3MT.
– Vagas indicações de compra são sugeridas em algo como R$ 93,00/95,00 no oeste do estado, dependendo de prazos e de localização; em Paranaguá, entre R$ 77,00/80,00.
CÂMBIO – Opera em alta neste momento, a R$ 5,21; no último pregão, fechou em R$ 5,176 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).