Comentário de Mercado

SOJA – Os preços da soja fecharam a sessão desta segunda-feira em Chicago com perdas de 14 pontos, pressionada pelo bom andamento da colheita e pelo posicionamento dos negociadores em relação ao relatório de oferta e demanda de outubro que será divulgado amanhã.
– Entre ganhos e perdas, na semana passada os preços haviam trabalhado praticamente estáveis. Os preços dos óleos vegetais, sobretudo de óleo de palma, que vinham dando força ao mercado nos últimos dias também fecharam em baixa, apesar de ganhos no mercado de petróleo.
– O mercado buscou posicionar-se para o relatório de oferta e demanda. Com base nos relatos de campo, que indicam boa produtividade, analistas ouvidos por agências internacionais esperam um ligeiro aumento na produção norte-americana de soja, podendo alcançar 120,0MT. No ano passado a colheita ficou em 112,6MT e, no ano retrasado, em 96,7MT.
– Os estoques finais da temporada 2021/22 devem ter um salto, podendo chegar a 7,8MT, ante 5,0MT previstos no mês passado. Já, os estoques finais da temporada 2020/21 (fechado em 31 de agosto) devem ser ajustados para 6,97MT, conforme dados do levantamento trimestral de estoques, um volume bem maior do que as 5,04MT que eram previstas no relatório de oferta e demanda de setembro.
– O mercado doméstico deve ficar completamente travado neste início de semana, diante da calmaria que se verifica nos últimos dias e diante do feriado desta terça-feira. A preocupação, no entanto, segue com os trabalhos de implantação das lavouras.
– Apesar de chuvas irregulares, de acordo com levantamento da consultoria Safras & Mercado, o plantio da safra brasileira chega a 9,8%, ante 2,3% da mesma época do ano passado e 9,1% de média histórica. O Mato Grosso conta com 21% dos trabalhos já concluídos; o Paraná, com 19%; o Mato Grosso do Sul, com 8%; São Paulo, com 5% e Goiás, com 4%.
– No mercado interno, os preços foram pressionados em linha com as perdas da CBOT. No oeste do estado, vagas indicações na faixa de 168,00/169,00 e no final da tarde na faixa de 166,00/167,00. Em Paranaguá, indicações ao redor de R$ 173,00/174,00, caindo para algo como 171,00/173,00 – dependendo do prazo de pagamento e, no interior, também do local e do período de embarque.

MILHO – CBOT fechou com alta de 2 a 3 cents nos principais vencimentos, cotada a U$ 5,33/dezembro, suportada pela perspectiva de cortes na produção norte-americana e por chuvas intensas neste período de colheita na China. Na semana passada, os preços perderam força, com queda de 1,5%.
– No relatório de oferta e demanda, que será divulgado nesta terça-feira, o mercado espera certa redução na produção de milho dos EUA. Segundo levantamento, a produção deve ficar em 379,7MT, queda de 1,2MT em relação ao relatório de setembro. Em contrapartida, os estoques são esperados em alta de cerca 0,5MT, para 36,1MT. Já, os estoques da temporada 2020/21 tendem a ser ajustados positivamente, alinhando-se com os estoques trimestrais divulgados pelo USDA no final de setembro, que ficaram em 31,41MT.
– Na China, fortes chuvas na porção norte do país estão atrasando a colheita das lavouras de milho, o que pode resultar em perda na qualidade dos grãos. Além disso, com a diminuição da oferta de carvão, a secagem pode se configurar em mais um problema. Os produtores chineses aumentaram em mais de 6% a área de plantio, estimulados pelos altos preços. A China é o segundo maior produtor mundial de milho com previsão de colheita de 273,0MT.
– De acordo com a agência Safras & Mercado, o plantio da safra brasileira de verão atinge 44,4% até a última sexta-feira, ante 40,9% da mesma data do ano anterior e média de 42,1%. Por estado, o cultivo atinge: 77,4% no Rio Grande do Sul, 70,8% no Paraná, 67,3% em Santa Catarina, 8% em São Paulo, 3,1% em Minas Gerais, 1% no Mato Grosso do Sul e 0,2% em Goiás.
– No mercado interno, as negociações que já vinham lentas, começaram a semana ainda mais travadas. As indicações de compra se mostram mais fracas.
– De maneira geral, os produtores passaram a restringir o volume de ofertas, aguardando por possíveis melhores oportunidades no período de entressafra. Por outro lado, os preços podem se mostrar mais fracos no decorrer se houver uma boa evolução da safra de verão e certa acomodação do câmbio e dos preços internacionais.
– Vagas indicações de compra em níveis inferiores a R$ 90,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 86,00/88,00.
CÂMBIO – Operou em alta durante o dia; neste momento é cotado a R$ 5,53. Na sexta-feira, fechou em R$ 5,516 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).