Comentário de Mercado

SOJA – Preços da soja buscam recuperar-se das perdas das duas últimas sessões e chegam ao intervalo desta segunda-feira com alta de 10 cents, a U$ 12,30/novembro. Na última semana, as cotações se apresentaram com muita volatilidade no dia a dia; porém, entre ganhos e perdas, a semana terminou nos mesmos patamares como havia começado, na faixa de U$ 12,20/ novembro.
– Mercado segue focado na finalização da colheita norte-americana (que entra na reta final), na retomada das compras por parte da China e no andamento do plantio no Brasil (que ganhou bom ritmo com maior amplitude das chuvas).
– O plantio da safra brasileira de soja chega a 35,8%, ante 16,3% da mesma época do ano passado e 27,3% de média histórica. As informações fazem parte do levantamento semanal conduzido pela consultoria Safras & Mercado. No Mato Grosso, os trabalhos chegam a 69% (ante 26% da mesma data do ano passado); no Mato Grosso do Sul, a 45% (18%); no Paraná, a 41% (35%); em Goiás, a 37% (12%); em Minas Gerais, a 35% (8%) e no Rio Grande do Sul, a 0,5% (6%).
– Internamente, a alta do câmbio segue como principal vetor dos preços. Lá fora, os ganhos na bolsa de Chicago acabam compensando as perdas nos prêmios (que são indicados na faixa entre 175/185).
– Indicações de compra no oeste do estado na faixa de 169,00/170,00. Negócios pontuais para indústrias locais podem ter ágios de até R$ 2,00/3,00 por saca. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 173,00/174,00 – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local e do período de embarque.

MILHO – CBOT chega ao intervalo desta manhã com ganhos de 2 cents, cotada a U$ 5,39/dezembro. Na sexta-feira, o pregão encerrou com 5 pontos positivos; na semana os ganhos foram de 2,5%.
– Além da boa demanda, o tom positivo se deve a rumores de que haverá aumento na área de soja na próxima campanha dos EUA em detrimento do milho, devido aos altos custos dos fertilizantes. A informação é da agência Reuters.
– Na Argentina, o plantio de milho 2021/22 chega a 32%, de acordo com o Ministério da Agricultura do país, ante 28% da semana anterior e mesmos 32% do mesmo período do ano passado. A área está estimada em 10,12MH, ante 9,74MH da campanha passada.
– O plantio da safra brasileira de milho verão alcançou 63,7% até a última sexta-feira, de acordo com a agência Safras & Mercado, ante 51% da temporada anterior e média dos últimos cinco anos de 60,2%. Por estado, os trabalhos chegam a: 94,6% no Rio Grande do Sul; 92,4% no Paraná; 86,7% em Santa Catarina; 46,5% em São Paulo; 22,9% em Goiás/DF; 21,6% no Mato Grosso do Sul; 19,1% no Mato Grosso e 16,7% em Minas Gerais.
– No mercado interno, as indicações de compra se mantêm pressionadas, com ausência generalizada de compradores. Por outro lado, os produtores seguem com restrições de ofertas, aguardando por melhores oportunidades no período de entressafra. Com isso, o volume de negócios é limitado. Com a recente alta do câmbio, há claros sinais de intensificação dos negócios no Mato Grosso com destino ao mercado esterno.
– Vagas indicações de compra são sugeridas na faixa entre R$ 89,00/90,00 no oeste do estado, eventualmente com prazos alongados; em Paranaguá, entre R$ 88,00/89,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – Opera em alta, a R$ 5,62; na sexta-feira, fechou em R$ 5,625. Na semana passada, o dólar voltou a registrar a cotação mais alta deste abril em resposta à perspectiva de aumento dos gastos do governo com o novo programa social, que implicará em aumento da dívida pública e em mais incertezas econômicas; além disto, há claros sinais de rompimento do teto fiscal. (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).