Comentário de Mercado

SOJA – CBOT chega ao intervalo desta manhã de quarta-feira com alta de 3 cents, a U$ 12,15/janeiro. Ontem o pregão fechou com alta de 23 pontos, quebrando a trajetória de queda que perdurou por quatro sessões. Com isto, o mercado voltou ao patamar superior a U$ 12,00.
– O mercado reagiu positivamente ao relatório do USDA, que contrariou a expectativa dos participantes, que esperam aumento da colheita norte-americana.
– De acordo com o USDA, a produção norte-americana de soja deve ficar em 120,43MT, ante 121,06MT do report de outubro e 121,9MT estimado por analistas. Em contraposição, os estoques finais dos EUA são indicados em alta, em 9,25MT, contra 8,71MT de outubro. Analistas esperavam algo como 9,8MT.
– O Brasil segue com projeção de 144MT, com exportações de 94,0MT para a temporada 2021/22. Para a Argentina, o USDA cortou em 1,5MT a perspectiva de colheita, para 49,5MT.
– As importações por parte da China estão avaliadas em 99,76MT neste ano, com ligeiro aumento: já para o ano que vem, a projeção é de 100,0MT, queda de 1,0MT em relação a outubro.
– Segundo a CONAB, o plantio da safra de soja no Brasil chega a 67,3%, ante 53,5% da semana passada e 55,1% da mesma época do ano anterior.
– De acordo com a ANEC, a projeção de exportação de soja brasileira em novembro é de 2,6MT. Na temporada, iniciada em fevereiro, o volume embarcado chega a 85,4 MT, ante 81,2 do mesmo período do ano passado.
– Internamente, as indicações de compra se mantêm pressionadas e o ritmo de negócios, lento. Prêmios nos portos são indicados na faixa entre 130/150.
– Indicações de compra no oeste do estado na faixa de 155,00/156,00. Negócios pontuais para indústrias locais podem ter ágios de até R$ 2,00/3,00 por saca. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 160,00/161,00 – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local e do período de embarque.

MILHO – CBOT chega ao intervalo desta manhã com alta de 3 pontos, cotada a U$5,58/dezembro. Ontem, fechou com ganhos de 3 cents nos principais vencimentos.
– Apesar de números em linha com o esperado, o mercado teve uma percepção positiva do relatório de oferta e demanda de novembro para o milho. Isto também tem a ver com melhores números para a soja e para o trigo.
– A produção norte-americana de milho foi estimada pelo USDA em 382,59MT, ante 381,49MT do report de outubro e 382MT de expectativa do mercado. Porém, há aumento de quase 1,5MT para a produção de etanol, para 133,36MT. Isto tem implicações sobre os estoques finais, que são apontados em leve queda, em 37,94MT, ante 38,1MT de outubro.
– No Brasil, a produção de milho segue prevista em 118,0MT em 2021/22, com exportações em 43,0MT. Na última temporada a produção segue avaliada em 86,0MT, com exportações em queda, de 20,0MT para 17,5MT.
– A CONAB indica que o plantio de milho, safra de verão, atingiu 54,4% até a última sexta-feira, ante 44,3% da semana anterior e 53,1% em período equivalente no ano passado.
– Segundo a ANEC, as exportações de milho em novembro devem ficar entre 1,5MT e 2,0MT. Até aqui na temporada, o volume embarcado alcança 12,8MT, ante 24,0NT do mesmo intervalo do ciclo anterior.
– Vagas indicações de compra são sugeridas na faixa entre R$ 84,00/85,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 83,00/84,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – Opera em baixa neste momento, na faixa de R$ 5,45. Na última sessão, fechou em R$ 5,49. (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).