Comentário de Mercado

SOJA – Os contratos futuros negociados com soja na CBOT operam em leve alta neste momento, manhã de segunda-feira, a U$ 12,65/janeiro. Na semana passada, entre ganhos e perdas diárias, houve alta de 1,5%.
– O mercado segue atento em dois pontos fundamentais neste instante. Em primeiro lugar, a demanda chinesa, que ficou muito retraída durante outubro e está deixando os embarques dos EUA lentos. Em segundo, a evolução da safra sul-americana, cujo plantio avança em bom ritmo; mas, tende a enfrentar circunstâncias climáticas adversas, notadamente pelo retorno do La Niña.
– A demanda interna nos EUA segue firme, com aumento do esmagamento para a produção de rações e também para a produção de biodiesel.
– O plantio da safra brasileira chega a 84,2%, ante 74,1% da mesma data do ano passado e 77,2% de média histórica. Os dados fazem parte do levantamento semanal realizado pela consultoria Safras & Mercado. Por estado, a evolução dos trabalhos é a seguinte: MT e MS, 99%; PR e GO, 97%; MG, 85%; BA e SC, 75% e RS, 53%.
– Enquanto isto, na Argentina o plantio chega a 32%, mesmo índice desta época do ano passado – informa o Ministério da Agricultura do país. Houve avanço de 13 pontos na semana. A área está estimada em 16,25MH, ante 16,65MH da campanha passada.
– A grande preocupação para a região Sul do Brasil e para a Argentina é a incidência do La Niña que, normalmente, reduz a ocorrência de chuvas durante os meses de primavera e verão.
– Com a alta dos preços, houve boa movimentação de negócios no mercado interno ao longo da última semana. Embora longe dos picos vividos em meses anteriores, os preços se tornaram mais atrativos com a alta na CBOT e no câmbio; muitos produtores e armazenadores, preocupados em desocupar os silos, vêm aproveitando o bom momento.
– Prêmios nos portos são indicados entre 130/150 no mercado spot e entre 45/55 para fevereiro.
– Indicações de compra no oeste do estado na faixa de 165,00/166,00. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 170,00/171,00 – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, também do local e do período de embarque.

MILHO – Opera em alta de 4 cents nesta manhã, cotado em U$5,74/dezembro. A última sessão fechou com queda de 2 cents nos principais vencimentos; na semana passada, houve queda de 1,2%.
-Os ganhos de hoje voltam a ser atribuídos ao vizinho trigo, que vê seus estoques mundiais mais apertados e atinge as maiores cotações desde 2012. Temores com excesso de chuvas na Austrália (grande produtor de trigo) e incertezas sobre os estoques russos causam preocupação no mercado.
– Enquanto isto, no Brasil, o plantio da safra de milho verão atinge 90,7%, de acordo com agência Safras & Mercado, ante 89,3% da mesma época do ano passado e média dos últimos cinco anos de 89,1%. O plantio está praticamente encerrado no RS, SC, MS e no PR. Nos demais estados, o plantio atinge: 96,7% em SP, 90,3% em GO/DF, 80,6% no MT e 69% em MG.
– Segundo Safras & Mercado, a produção de milho verão deverá totalizar 25,72MT, 19% acima das 21,64MT produzidas na safra verão anterior. Já, a produção total de milho da safra 2021/22 é estimada em 119,25MT, um novo recorte, com alta de 31% sobre as 90,77MT do ciclo passado – que foi duramente castigado por seca e geadas
– O Line-up nos portos brasileiros indica exportações da ordem de 2,90MT em novembro. No acumulado desde fevereiro, os embarques somam 13,4 MT, ante 25,8MT do mesmo intervalo do ano anterior. A perspectiva é que o ano feche com exportações ao redor de 17,0MT, ante 35,7MT da temporada passada.
– No mercado interno, percebe-se um ligeiro aumento da oferta. Isto segue favorecendo a pressão sobre os preços em pontos localizados. Porém, apesar de bem abastecidos, mais compradores se mostram interessados em ouvir propostas de venda. Isto pode ser um sinal de que os preços estejam encontrando um piso para este momento.
– Indicações de compra são sugeridas na faixa entre R$ 82,00/83,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 87,00/89,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – Opera praticamente zerado neste momento, na faixa de R$ 5,61. (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).