Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em queda de 5 cents, a U$ 14,09/março neste momento, manhã de segunda-feira. Depois dos bons ganhos da semana passada, superiores a 3%, o mercado toma certo fôlego e avalia o cenário para o atual nível de preço.
– O mercado segue monitorando os principais vetores, capazes de influenciar a formação dos preços: novas avaliações, cada vez mais concretas, sobre os níveis de quebra da safra brasileira, argentina e paraguaia; boas exportações e possibilidade de aumento da demanda pelo produto dos EUA; comportamento dos preços do petróleo e aversão aos ativos de risco.
– De longe, o fator que mais chama a atenção é a quebra da safra sul-americana. Aos poucos os participantes vão tomando conhecimento da dimensão das perdas, que podem chegar a 25,0/30,0MT. Por esta razão, o mercado tende a buscar novos patamares de preço no decorrer.
– A colheita da safra brasileira chega a 5%, ante 05% da mesma data do ano passado e 2,8% de média histórica. O levantamento é da consultoria Safras &Mercado. No MT, chega a 13%; no PR, a 8%, no MS, a 2% e em GO, a 1,5%.
– Internamente, em termos de negócios, o mercado brasileiro segue bastante travado; porém, os preços vão ganhando terreno. O recuo dos produtores é justificado pelo aprofundamento das perdas no campo, preocupação com a entrega dos contratos negociados antecipadamente e pelas expectativas de preços bem sustentados.
– Indicações entre R$ 175,00/176,00 no oeste do estado e entre R$ 180,00/181,00 em Paranaguá – dependendo do prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque. Prêmios são negociados entre 65/75 para embarque em fevereiro.

MILHO – CBOT opera em leve queda, cotada a U$6,14/março. No último pregão, mercado fechou com 5 pontos positivos. Na semana passada, a posição presente teve valorização de 3,4%.
– A boa demanda pelo cereal norte-americano e o clima adverso na América do Sul seguem dando suporte ao milho no mercado internacional. São fatores que continuam merecendo toda a atenção.
– O line-up de navios nos portos brasileiros aponta para embarques na ordem de 2,7MT em janeiro, das quais, 1,6MT já foram despachadas. No acumulado do ano agrícola, que termina neste fim de mês, o volume exportado pode alcançar 21,5MT, bem acima das 16,0/17,0MT previstas anteriormente.
– Segundo a EPAGRI/CEPA, as perdas da safra de milho em Santa Catarina podem chegar a 43%. Inicialmente, a projeção era de uma colheita de 2,79MT. As regiões oeste, extremo oeste e planalto norte são as mais atingidas pela estiagem. Na soja, as perdas são estimadas em 30% de uma estimativa inicial de 2,63MT.
– Indicações de compra são sugeridas na faixa entre R$ 97,00/98,00 no oeste do estado; vendedores seguem bastante recuados, avaliando o cenário e as perdas da safra de verão. Em Paranaguá, entre R$ 88,00/90,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – O dólar opera em alta neste momento, a R$ 5,48. Na última sessão, encerrou em R$5,455 (Granoeste Corretora: Camilo / Stephan).