Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em leve alta nesta manhã de quarta-feira, a U$ 8,29/maio. Ontem houve perdas de 3 cents. No ano a queda se acumula em 12% em Chicago.
– Os participantes temem um afastamento ainda maior da China do mercado norte-americano, com as novas medidas go governo Trump que restringem exportações de uma série de produtos.
– O bom ritmo do plantio da safra norte-americana também é fator limitante para a evolução dos preços. O USDA informou que os trabalhos chegaram a 8%, ante 2% da mesma data do ano passado e 4% de média histórica.
– Apesar de operar em alta, os preços do petróleo atingiram nos últimos dias os menores níveis em mais de 20 anos. Os biocombustíveis, como etanol e biodiesel, derivados de milho e soja, sentiram o golpe e a demanda despencou.
– O mundo continua focado no combate ao coronavírus. Na China, as boas notícias são de retomada da produção, o que tende a resultar em aumento da demanda.
– O acentuado recuo do dólar, superior a 2,5% na jornada anterior, deixou os negócios praticamente paralisados no Brasil. Apesar disto, as cotações permanecem próximas dos recordes nominais históricos – entre R$ 98,00 / 99,00 no oeste do estado e entre R$ 104,00/106,00 no Porto de Paranaguá – dependendo de prazo de pagamento e, no interior, do local de embarque.

MILHO – CBOT opera praticamente estável nesta manhã de quarta-feira, a U$ 3,03/maio. Ontem houve perdas de 3 cents. O mercado se situa no ponto mais baixo em 10 anos.
– Certo suporte vem da determinação do governo dos EUA que assegurou manter a operação de todas as unidades de produção de carnes.
– Ainda nos EUA, o plantio de milho segue em ritmo acelerado e chega a 27%, contra 12% da temporada passada e média histórica de 20% (USDA).
– Também é motivo limitação dos preços em Chicago, a decisão da União Europeia de aplicar uma taxa de 5,27 Euros por tonelada de milho importado dos EUA. Para o Mercado Comum Europeu, isto permite certa sustentação dos preços internos num momento em que as cotações estão nos menores níveis em uma década.
– No mercado interno, o clima seco é o foco central. Cortes na produção já são dados como certos. Com isto, os vendedores se retraem em relação a vendas na expectativa de retomada das altas de preço.
– Durante abril houve maior volume de comprometimento de milho com exportações, notadamente no MT. Mais exportações, combinado com queda de colheita pode significar redução da disponibilidade interna.
– Por outro lado, o mercado vem reportando queda no consumo, com alongamento dos prazos de alojamento de aves e suínos e redução da produção de etanol.
– O volume de oferta vem se tornando mais comedido na medida em que se configura o agravamento de perdas por estiagem. Há ainda um longo caminho até a chegada da safrinha e crescem as expectativas de preços em alta. Vagas indicações de compra – no oeste do estado – na faixa de 43,00/44,00.
CÂMBIO – Opera em queda na faixa de R$ 5,48. Ontem o dólar fechou em R$ 5,513, com o Real se valorizando em 2,7%. (Granoeste – Camilo – Stephan).