Comentário de Mercado

SOJA – Depois das acentuadas perdas deste início de semana, de quase 70 cents em dois pregões, os preços se mostram em recuperação nos futuros de Chicago nesta quarta-feira, com alta de 10 cents, a U$ 16,52/maio. Ganhos no petróleo e ajuste de carteiras frente aos relatórios do USDA, que serão apresentados amanhã, promovem suporte para os preços.
– O USDA deverá indicar aumento do plantio norte-americano de soja em cerca de 2,0%, para 35,9MH, ante 35,3MH do ano passado. Nos estados sulistas, os trabalhos de campo já foram iniciados. Nas áreas centrais o plantio tem largada durante o mês de abril e se intensifica em maio.
– Em relatório separado, o USDA irá divulgar os estoques existentes em primeiro de março, exatamente na metade da estação. Analistas ouvidos por agências de notícias esperam por um aumento expressivo nos estoques, para algo como 51,5MT, ante 42,5MT da mesma data do ano passado. Olhando para frente, para o relatório de oferta e demanda de abril, fica a dúvida se o USDA irá ajustar para cima os estoques de fim de temporada. Se isto acontecer, seria um contraponto em relação à gigantesca quebra da safra sul-americana.
– O Deral informa que a colheita de soja no Paraná chega a 83%, com produção prevista em 11,6MT, ante 19,8MT da campanha anterior. A nível de Brasil, a Conab, que havia indicado colheita em 80,2%, revisou para baixo este índice, para 75,8%.
– Os preços domésticos devem parar a trajetória de queda dos últimos dias diante da retomada dos preços em Chicago e de alguma melhora nos prêmios. De qualquer maneira, o volume de negócios segue restrito. As atenções se mantêm voltadas para a finalização da colheita, liquidação de contratos negociados antecipadamente e término do plantio da safrinha de milho.
– Indicações de compra entre R$ 182,00/184,00 no oeste do estado; entre R$ 187,00/189,00 em Paranaguá – dependendo do prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque. No mercado spot, os prêmios são indicados entre 150/170. Em razão da quebra de safra, em muitas regiões do Sul do país, as indústrias seguem indicando preços acima da paridade internacional.

MILHO – Os contratos futuros de milho negociados na CBOT operam com ganhos de 13 cents, a U$ 7,40/maio, nesta manhã de quarta-feira. O pregão anterior encerrou com queda de 22 cents na posição presente. O posicionamento dos investidores frente aos relatórios de intenção de plantio e de estoques trimestrais é fator de alta; petróleo também contribui; por outro lado, o clima favorável nos EUA é ponto de limitação dos ganhos.
– Segundo analistas ouvidos por agências de notícias, o plantio de milho nos EUA deve ficar em 37,2MH, ante 37,8MH do ano passado, queda de 1,6%. A dificuldade de obtenção de fertilizantes e outros insumos pode resultar em alterações mais expressivas nas áreas, tanto de soja quanto de milho.
– Quanto aos estoques de primeiro de março, o mercado espera aumento em relação à mesma data do ano passado – 200,3MT, contra 195,5MT.
– O Line-up de navios nos portos brasileiros aponta embarques, entre março e maio, em volume superior a 0,7MT de milho. Os embarques voltam a ganhar ritmo em razão do forte aumento dos preços internacionais (CBOT mais prêmios) do início de março. A tendência é que este volume ultrapasse 1,0MT, num momento em que, geralmente, o Brasil está ausente das exportações, devido à baixa disponibilidade interna e foco nas exportações de soja.
– Segundo a CONAB, a colheita de milho verão no Brasil chega a 47,1%, contra 43,1% de período semelhante do ano passado. O plantio da safrinha atinge 98,2%, ante 91,7% da mesma data da temporada anterior.
– No Paraná, o DERAL informa que a colheita de milho verão chega a 85% e o plantio da safrinha está em 97%.
– No mercado interno, com certo aumento da oferta e queda dos preços e prêmios internacionais, as indicações de compra cederam de forma acentuada nos últimos dias. A melhora do clima na condução da safrinha, além do aumento de lotes vindo a mercado, limitam a formação do preço doméstico. A quedas dos prêmios é atribuída à decisão da Europa de liberar a importação de milho transgênico dos EUA.
– Indicações de compra na faixa entre R$ 85,00/87,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 90,00/92,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – Dólar opera em leve queda neste momento, a R$ 4,74. Ontem fechou em R$4,757 (Granoeste Corretora – Camilo / Stephan).