Comentário de Mercado

SOJA – Os preços da soja chegam ao intervalo desta manhã de quinta-feira com leve alta, a U$ 16,67/maio. A aparente calmaria indica que, nesta altura, os investidores estão com as carteiras ajustadas à espera da divulgação dos relatórios de plantio e de estoques trimestrais, que serão apresentados pelo USDA logo mais, no início da tarde. Depois de perdas de quase 70 cents nos dois primeiros pregões da semana, ontem os preços mudaram de direção, com ganhos de 20 cents.
– O mercado aguarda aumento da área de soja nos EUA em cerca de 2,0%, para 35,9MH, ante 35,3MH do ano passado. O relatório deverá indicar encolhimento da área de milho. Nos estados mais ao sul, os trabalhos de campo já foram iniciados. Já, nas áreas centrais o plantio tem largada durante o mês de abril, com aceleração em maio.
– O USDA irá divulgar também o relatório trimestral de estoques, relativos a primeiro de março. O mercado espera por um aumento expressivo nesta conta, com estoques na faixa de 51,5MT, ante 42,5MT da mesma data do ano passado. Se, de fato, isto ocorrer, significa que a demanda pela soja norte-americana está bem abaixo do esperado. Com a acentuada quebra da safra sul-americana, as previsões indicavam que aumentaria o interesse dos importadores chineses pelo produto estadunidense e os estoques iriam minguar rapidamente.
– Uma vez revelado, o conteúdo dos dois relatórios vai se juntar aos principais vetores que há algum tempo vêm influenciado de forma decisiva a formação do preço: quebra acentuada da produção sul-americana, guerra no leste europeu e demanda relativa mais firme. Mas, olhando em perspectiva, o foco do mercado estará centrado na safra norte-americana (disponibilidade de insumos, ritmo de plantio e comportamento do clima).
– Os preços domésticos voltaram a apresentar melhor desempenho, depois da queda acentuada dos últimos dias. A pressão sobre o câmbio tem sido o grande fator de redução das indicações de compra. O volume de negócios segue restrito. As atenções se mantêm voltadas para a finalização da colheita, liquidação de contratos negociados antecipadamente e término do plantio da safrinha de milho.
– Indicações de compra entre R$ 182,00/183,00 no oeste do estado; entre R$ 187,00/189,00 em Paranaguá – dependendo do prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque. No mercado spot, os prêmios são indicados entre 145/165. Em razão da quebra de safra, em muitas regiões do Sul do país, as indústrias seguem indicando preços acima da paridade internacional.

MILHO – Os contratos futuros de milho negociados na CBOT operam em leva alta, a U$ 7,40/maio, nesta manhã de quinta-feira. O pregão anterior encerrou com alta de 11 cents, postado nas incertezas sobre um cessar fogo entre Rússia e Ucrânia, o que implica em continuidade das dificuldades para as exportações de milho e trigo dos dois países. Ganhos no petróleo também jogaram no lado positivo.
– Hoje, o mercado se apresenta mais clamo uma vez que os negociadores, com suas posições em futuros e opções ajustadas, estão à espera dos relatórios de intenção de plantio e de estoques trimestrais, que serão divulgados pelo USDA logo mais, às 13hs.
– Segundo analistas ouvidos por agências de notícias, o plantio de milho nos EUA deve ficar em 37,2MH, ante 37,8MH do ano passado, queda de 1,6%. A dificuldade de obtenção de insumos pode resultar em alterações mais expressivas nas intenções iniciais de plantio, tanto de milho quanto de soja.
– Quanto aos estoques norte-americanos em primeiro de março, o mercado espera um aumento em torno de 2,5%, para 200,3MT, no comparativo com as 195,5MT da mesma data do ano passado. Apesar do bom ritmo das exportações (previstas em 63,5MT), os estoques finais, em 31 de agosto, tendem a ficar acima daquele apurado no ano passado, 36,6MT, contra 31,4MT.
– Segundo a Reuters, o governo Biden está considerando adicionar mais etanol à gasolina a fim de reduzir o preço do combustível nas bombas. O estudo é preliminar; mas, a sugestão é propor uma gasolina com 15% de etanol, ao invés dos atuais 10%.
– Depois da forte acomodação dos preços nos últimos dias, o mercado parece ter encontrado um ponto de estabilidade. O volume de oferta é menor, mas, também, não há intensificação do interesse comprador. Melhora do clima na condução da safrinha, queda nos prêmios de exportação e contensão do câmbio, mantêm certa pressão na formação do preço doméstico. A acentuada queda dos prêmios nos portos brasileiros é atribuída à decisão da Europa de liberar a importação de milho transgênico dos EUA.
– Indicações de compra na faixa entre R$ 85,00/87,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 90,00/92,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
CÂMBIO – Dólar opera em queda neste momento, a R$ 4,76. Ontem fechou em R$4,785 (Granoeste Corretora – Camilo / Stephan).