Comentário de Mercado

SOJA – CBOT opera em leve queda neste momento, manhã de terça-feira, a U$ 17,12/maio. Ontem, o mercado fechou com fortes ganhos, na faixa de 30 cents nos principais vencimentos, postando-se acima de U$ 17,00 com base na boa demanda pelo produto norte-americano, tanto pelo setor exportador quanto pelo setor industrial.
– A indústria norte-americana processou um volume recorde de soja para o mês de março, com 4,95MT, em face do aumento do consumo dos subprodutos e da melhora das margens de esmagamento, ante 4,49MT de fevereiro e 4,84MT de março do ano passado. Os estoques de óleo estão nos menores níveis em seis meses.
– No segmento externo, o USDA informou ter inspecionado o embarque de 0,97MT de soja na última semana, elevando o total da estação para 45,9MT, ante 55,2MT do mesmo espaço da temporada passada.
– É muito provável que a procura por negócios nos EUA se mantenha firme ao longo dos próximos meses, substituindo parte dos volumes que seriam embarcados no Brasil e na Argentina. As exportações norte-americanas estão previstas pelo USDA em 57,6MT, ante 61,5MT do ano passado, com estoques finais estimados em 7,1MT, contra 7,0MT do ciclo anterior.
– No fim da tarde de ontem, o USDA informou que o plantio da safra norte-americana de soja está em apenas 1%, ante 3% do mesmo ponto do ano passado e 2% de média histórica.
– No mercado interno, os preços se apresentam em alta, seguindo a melhor performance apurada na CBOT, que voltou a posicionar-se acima de U$ 17,00 por bushel, nível muito próximo do recorde histórico observado em 2012. A queda do câmbio acabou limitando parcialmente os ganhos.
– De qualquer maneira, o ritmo de negócios segue lento, em mais uma semana com feriado no Brasil. Prêmios são indicados na faixa de 120/150 no mercado spot, subindo entre 10 e 20 cents para maio e junho.
– Indicações de compra entre R$ 181,00/182,00 no oeste do estado; entre R$ 187,00/189,00 em Paranaguá – dependendo do prazo de pagamento e, no interior, também do local de embarque.

MILHO – Os contratos futuros de milho, negociados na CBOT, chegam ao intervalo desta manhã com perdas de 3 a 4 cents, a U$ 8,08/maio. Ontem, com ganhos superiores a 20 cents, a CBOT rompeu os U$ 8,00 por bushel e atingiu ponto mais alto desde 2012. O suporte é atribuído ao aperto da oferta global, ao conflito no leste europeu e ao clima adverso nos EUA, com excesso de chuvas na porção Sul da região produtora e estiagem nas planícies do Norte.
– Nos EUA, a implantação das lavouras de milho está atrasada em relação ao ano anterior. De acordo com o USDA, até o último domingo, o plantio chegou 4%, ante 7% de um ano atrás e média de 6%.
– Nos EUA, em 28 estados foram detectados casos de gripe aviária. Os primeiros casos foram observados na Pensilvânia, onde aves de uma propriedade comercial foi confirmada com o vírus. Neste estado, o último surto ocorreu em 1983/84. A doença está se espalhando por meio de pássaros e outras aves selvagens. A China já vetou importações de carnes dos estados que apresentam infecções e o Canadá está adotando medidas para evitar que o surto ultrapasse as fronteiras.
– O USDA informou ter inspecionado o embarque de 1,13MT de milho na última semana, ante 1,55MT do mesmo ponto do ano passado. No acumulado da estação, os embarques somam 33,2MT, contra 39,5MT do mesmo intervalo da temporada passada.
– Segundo Safras & Mercado, a Ucrânia deverá produzir 23,0MT de milho em 2022/23, ante 41,9MT da última campanha. As exportações são estimadas em 18,0MT, ante 22,9MT projetadas anteriormente. O consumo interno também deverá ser reduzido, passando de 13,2MT para 8,0MT.
– Com as boas perspectivas da safrinha, a tendência é que haja um forte aumento da disponibilidade doméstica. Com isto, os preços internacionais (CBOT e prêmios), combinado com a taxa de câmbio tendem a ser o parâmetro para a determinação dos preços internos.
– Depois de ceder entre 15% e 20% nas últimas semanas, tudo indica que os preços domésticos estejam chegando ao nível de paridade de exportação; portanto, tendem a se estabilizar e acompanhar a movimentação internacional. Indicações de compra na faixa entre R$ 83,00/85,00 no oeste do estado; em Paranaguá, entre R$ 90,00/92,00 – dependendo de prazos de pagamento e, no interior, também da localização do lote.
– CÂMBIO – opera em alta neste momento, a R$ 4,67. Ontem fechou a R$ 4,648 (Granoeste Corretora – Camilo / Stephan).