Comentário de Mercado

SOJA – Chicago segue em recuperação, com alta entre 7 e 8 cents, a U$ 8,52/julho, dando sequência aos bons ganhos (11 cents) apurados na sessão anterior.
– Contrariando as preocupações mais recentes, a China deu sinais de que voltará às compras nos EUA. Desta vez, o país comprou cerca de 700 mil tons de milho, o que deve manter abertos os canais para negociação de soja em maiores volumes.
– A percepção inicial é de que o comércio de commodities agrícolas não seja atingido pelas tensões geopolíticas entre as duas maiores economias do mundo. Porém, é natural que ocorram momentos de agressividade entre as partes, com reflexos negativos para o volume de negócios.
– A acentuada queda de temperaturas em importantes setores de produção do Meio Oeste norte-americano também é motivo de alerta para os participantes e estimula compras de contratos futuros.
– Na próxima terça-feira o USDA irá divulgar o relatório de oferta e demanda referente ao mês de maio, com as primeiras projeções para a temporada 2020/21.
– A colheita da safra brasileira está praticamente finalizada. No RS, que é o último estado a encerrar os trabalhos, as perdas podem chegar a 40%. Segundo a Emater, 95% da área já está colhida.
– Em função da disparada dos preços por causa da alta do câmbio, a ABIOVE estima aumento das exportações de soja em grãos, para 77MT, quase 2,5% a mais do que a estimativa anterior. A entidade mantém o volume previsto de esmagamento em 44,5MT para este ano.
– No mercado interno, o dólar voltou a bater novos recordes históricos, impulsionando a formação dos preços e estimulando novas vendas, tanto de safra velha quanto da safra 2021. No mercado spot, no oeste do estado foram verificados negócios entre R$ 103,00/106,00, dependendo de local e de prazos de pagamentos – que podem avançar até agosto.
MILHO – CBOT opera em leve alta nesta manhã de sexta-feira, a U$ 3,20/julho. A BMF opera em R$ 50,40 (+0,76%)
– Além de vendas de 0,68MT para a China, o mercado reage diante da expectativa de temperaturas geladas neste sábado nos EUA, podendo afetar lavouras recém-plantadas.
– Na semana anterior, foram vendidas no exterior 0,77MT de milho norte-americano, 36% a menos que a média das últimas 4 semanas.
– No RS, a colheita de milho chega a 88% (ano passado 80%; média de 79% – Emater).
– No mercado doméstico, participantes seguem atentos e avaliando perdas com as irregularidades climáticas. Cortes na produção começam a ser dimensionados em estados como PR, MS e SP. Os vendedores se retraem e já é percebida certa movimentação positiva dos preços.
– Ontem, no Porto de Paranaguá as indicações de compra para exportação giravam de R$ 49,00 a 51,00 – com prazos mais alongados.
– Possibilidade de negócios oeste do estado na faixa entre 44,50/46,00.
CÂMBIO – Opera em baixa, na faixa de R$ 5,78, depois de ter atingido a máxima histórica na sessão de ontem – R$ 5,836. (Granoeste – Camilo – Stephan).