Comentário de Mercado

SOJA – Chicago estende os ganhos verificados na sessão anterior e opera com alta de 2 a 3 cents, a 8,47/julho. Ontem o mercado avançou 6 cents, postando em compras técnicas e em rumores de novas aquisições por parte da China.
– A alta do petróleo e, sobretudo, a onda de otimismo gerada pelo avanço das pesquisas para a descoberta de uma vacina contra o coronavírus, também contribuíram para o cenário mais positivo.
– O plantio da safra norte-americana chega a 53%, num dos ritmos mais rápidos da história, ante 16% da mesma data do ano passado e 38% de média dos últimos cinco anos. Na semana, houve avanço de 15 pontos percentuais. A emergência está em 18%, contra 4% do ano passado e 12% de média. (USDA).
– O USDA informou que o volume de soja exportado nesta temporada chega a 34,7MT, ante 33,2MT do mesmo período do ano passado.
– Circularam informações de que o governo chinês, preocupado com uma possível segunda onda de contaminação pelo coronavírus, está estimulando as empresas a aumentarem às importações de produtos alimentícios em geral.
– Enquanto isto, no Brasil, o ritmo de negócios entrou em lentidão com a queda expressiva do dólar desde a última sexta-feira. Depois de muita intensidade e ritmo recorde de vendas, o mercado toma certo fôlego e fica em compasso de espera. O fluxo logístico continua intenso e completamente tomado pelos próximos meses. Em abril as exportações bateram recorde mensal com mais de 14MT, devendo ultrapassar 12MT em maio.
– Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 105,00/107,00 por saca – dependendo de prazo de pagamento e de local de embarque.

MILHO – CBOT trabalha em alta de3 cents, cotada a 3,24/julho. Este otimismo, mesmo que moderado, se deve ao ritmo de plantio norte-americano abaixo do esperado por analistas, além de ganhos no petróleo e compras chinesas. A BMF opera em leve baixa, a R$46,06 (-0,67%)/julho.
– O USDA divulgou que o plantio de milho nos EUA atinge 80% (mercado estimava pelo menos 81%); ano passado, 44% e média de 71%.
– As inspeções de exportação de milho norte-americano atingiram 1,15MT, contra 0,84MT do mesmo período no ano anterior. No acumulado desde 1º de setembro, os embarques chegam a 26,22MT, contra 37,47MT no acumulado do ano-safra anterior.
– As irregularidades no regime de chuvas continua a dar o tom para o mercado interno. Há previsão de chuvas e chegada de uma nova frente fria ao sul do país no final desta semana, com risco de geadas. Adversidades climáticas deixam os produtores preocupados e relativamente ausentes do mercado.
– No mercado interno, os preços se mantém firmes, com chance de negócios na ponta compradora na faixa de R$ 46,00/47,50 no spot. Indicações no porto mais comedidas com a queda do câmbio, na faixa de R$ 47,50/48,50.
CÂMBIO – Opera em baixa neste momento, na faixa de R$ 5,70. Ontem fechou em R$ 5,725, queda superior a 2%. (Granoeste – Camilo / Stephan).