Comentário de Mercado

SOJA – Chicago opera estável nesta manhã de terça-feira, a U$ 9,13/setembro. Ontem os preços dispararam, fechando com alta de 16 cents. Desde o início da semana passada, a CBOT registra alta de quase 5%.
– O esmagamento de soja pela indústria norte-americana ficou em 4,7MT em julho – em linha com o esperado; porém, acima do volume processado no mês anterior.
– Além da arrancada na demanda pelo produto dos EUA, tanto pela indústria local como para exportação, o mercado observa de perto certa deterioração das lavouras nos campos do Meio Oeste, sobretudo depois que fortes ventos atingiram extensas regiões centrais de cultivo.
– Com foco neste monitoramento, o USDA cortou dois pontos percentuais na qualidade das lavouras no relatório de progresso de safra, divulgado no fim da tarde desta segunda-feira. As áreas tidas como boas/excelentes somam 72%, ante 74% da semana passada e 53% da mesma data do ano passado; as áreas regulares estão mantidas em 21%, ante 33% de um ano atrás e as lavouras consideradas ruins/péssimas subiram para 7%, ante 5% da semana anterior e 14% da mesma época de 2019.
– Além de melhores, o estágio das lavouras está mais avançado do que em temporadas anteriores. Noventa e seis por cento entraram em floração, contra 88% da mesma semana do ano passado e 94% de média histórica. Enquanto isto, 84% estão em formação de vagens, ante 64% de um ano atrás e 79% de média.
– Nesta semana está sendo realizado o Crop Tour anual passando pelos principais estados produtores. As primeiras avalições indicam produtividade melhor que a média histórica e muito acima daquela apurada no ano passado. No fim de semana, ao término do tour, será divulgado uma estimativa de colheita para soja e milho.
– O mercado interno segue firme, em níveis recordes, guiado por uma combinação de fatores positivos. Depois dos grandes volumes vendidos no exterior, notadamente por causa da desvalorização do Real, a disponibilidade interna ficou comprometida. Os preços se descoloram da paridade internacional na maioria das regiões e há um longo período de entressafra pela frente – o que tende a impulsionar ainda mais as cotações para os lotes disponíveis.
– Os prêmios nos portos giram na faixa 165/185. Indicações de compra no oeste do estado entre R$ 128,00/130,00 e, em Paranaguá, entre R$ 130,00/134,00.

MILHO – CBOT opera em leve baixa, U$ 3,30/setembro, nesta manhã de terça-feira. O mercado se apresenta mais acomodado depois de ganhos de quase 7% desde o início da semana passada, diante da perspectiva de boa produtividade em alguns estados norte-americanos. Em Ohio, primeiro estado visitado pelo Crop Tour, o rendimento das lavouras deverá ficar melhor do que se imaginava. A BMF opera em R$ 59,41 (-1,31%)/ Setembro.
– De maneira geral, no entanto, o USDA reduziu dois pontos na qualidade das lavouras no relatório de progresso de safra. As áreas tidas como boas/excelentes, somam 69% (ante 71% da semana anterior e 56% da safra anterior); regulares, 21% (igual da semana passada e 30% do ano passado) e ruins/muito ruins, 10% (8% na semana prévia e 14% na temporada anterior).
– Quanto ao estágio, 76% entraram em formação dos grãos, ante 50% da mesma semana do ano passado e média histórica de 69%. Vinte e três por cento estão em enxugamento dos grãos, contra 13% de um ano atrás e 24% de média.
-As exportações brasileiras de milho somam 8,88MT na atual estação, ante 15,5MT do mesmo intervalo na temporada anterior. Até aqui, em agosto, são 3,5MT já embarcadas; a projeção é superar 7MT neste mês, contra 7,64MT de agosto de 2019. A estimativa de exportações neste ano é de 35MT, contra 42,9MT do ciclo passado.
– No mercado interno, as indicações de preço se mantêm surpreendentemente firmes, com novas altas a cada dia, mesmo com a evolução da colheita. O produtor segue retraído em face das perdas no campo e das boas perspectivas de mercado até o final do ano. Os preços internacionais, sobretudo com a ajuda do câmbio e da forte alta dos prêmios, se tornaram ainda mais atrativos e promovem certo piso para as cotações.
– No oeste do estado foi observado interesse de compra entre R$ 51,00 / 53,00 por saca para produto disponível. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 57,00/59,00 por saca.
CÂMBIO – Está em queda neste momento, operando na faixa de R$ 5,44. Ontem fechou com alta expressiva de 1,5%, em R$ 5,496. (Granoeste – Camilo / Stephan).