Comentário de Mercado

SOJA – Chicago inicia a semana em alta de 3 a 5 cents, a U$ 10,53/novembro. A retórica que justifica a firmeza do mercado segue a mesma: forte demanda chinesa, cortes na produção dos EUA e clima adverso no Brasil, com atraso no plantio. Nos últimos 60 dias os ganhos chegam a 18%, atingindo o ponto mais alto em mais de dois anos.
– O USDA informou que as exportações de soja dos EUA, na última semana, chegaram a 2,63MT. No acumulado, o volume alcança 43,2MT, contra 17,9Mt do mesmo intervalo do ciclo anterior.
– O plantio da safra brasileira segue bastante atrasado. Levantamento da consultoria Safras & Mercado indica que apenas 6,1% da área foi semeada até o final da semana passada, ante 19,5% da mesma data do ano passado e 17,3% de média histórica. No Paraná, o plantio está em 20% (contra 36% da mesma data de 2019 e 39,4% de média); No Mato Grosso, está em 8% (42% em 2019 e 28,8% de média); em Goiás, 5% (12% e 9,9%); no Mato Grosso do Sul, em 4% (16% e 23,6%) e em Minas Gerais, 3% (5% e 6,5%).
– O governo brasileiro zerou o imposto sobre importação de soja e derivados pelos próximos três meses, numa tentativa de melhorar o abastecimento interno, ajudando a conter a drástica alta de preços. A medida, porém, terá pouco efeito prático, uma vez que beneficia apenas o produto que vem de fora do Mercosul, já que o produto dos vizinhos Paraguai e Argentina, de onde o Brasil efetivamente importa, está isento de taxação em razão do acordo multilateral.
– Apesar da alta de preços o volume de importações deverá ser contido e não deverá superar o recorde histórico de 1,3MT do ano de 2003. Até a entrada da safra nova, os produtores deverão se desfazer de todos os estoques, aproveitando-se do bom momento.
– Os preços internos se mantêm em níveis recordes, firmados acima da paridade internacional. Os negócios seguem limitados e apenas pontuais, mesmo para a safra nova. No oeste do PR, as indicações giram na faixa de R$ 163,00/165,00 por saca, dependendo de local de embarque e de prazo de pagamento e, sobretudo, dependendo da necessidade do comprador.

MILHO – CBOT em alta de 2 a 3 cents, a U$ 4,05/dezembro, nesta manhã de segunda-feira. Na sexta-feira houve perdas de 1,75 pontos.
– Mercado segue sustentado pela intensa procura pelo produto norte-americano. As exportações da última semana ficaram em 0,65MT, um tanto abaixo do esperado pelo mercado; contudo, na temporada 2020/21, o volume acumulado chega a 26,5MT, alta de 156% em relação aos 10,4MT do mesmo intervalo da safra anterior.
– Na Argentina, o plantio também está atrasado, com apenas 23% já semeado, ante 18% de um ano atrás. A falta de chuvas atinge cerca de 35% das áreas. As condições das lavouras são tidas como: 31% em boas/excelentes; 59% em situação normal e 10% ruins/muito ruins. No mesmo momento no ano anterior, o índice era de 34%, 54% e 12%, respectivamente. As informações são da Bolsa de Cereais de Buenos Aires.
– Além do complexo soja, no final de semana o governo brasileiro isentou o milho da tarifa de importação. Isto vale para importações de fora do Mercosul. Em termos práticos, a medida terá pouco efeito no sentido de impor pressão sobre os preços domésticos.
– O Line-up de navios indica exportações no mês de outubro na ordem de 5,23MT, das quais, 2,35MT já foram embarcadas. No acumulado, de fevereiro a fins de setembro, o volume chega a 18,5MT.
– O plantio de milho verão atinge 66% o RS, de acordo com a Emater. Em igual período no ano passado, o índice estava em 63%; a média dos últimos cinco anos é de 60%.
– No mercado doméstico, as ofertas seguem limitadas e os preços pagos pelas integrações se mantêm acima da paridade internacional em muitas regiões.
– O atraso no plantio de verão e as irregularidades climáticas se mantêm como fator de suporte. Recentes ganhos nos preços internacionais e desvalorização do Real garantem um piso para os preços internos ao viabilizar negócios na exportação em diversas regiões.
– No oeste do estado, interesse de compra na faixa de R$ 65,00/67,00 por saca, dependendo de localização e prazo. Em Paranaguá, indicações na faixa de R$ 68,00 / 69,00 por saca.
CÂMBIO – Opera em baixa neste momento, na faixa de R$ 5,61. Na sessão anterior fechou em R$ 5,645. (Granoeste – Camilo / Stephan).